Tratar Cólica Infantil Alterando a Dieta da Mãe

As proteínas do leite de vaca podem passar através do leite materno, o que poderá explicar porque as dietas maternas sem lacticínios são tão eficazes no tratamento de cólica infantil.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Não é horroroso aquilo da cirurgia a peito aberto? Tornei-me cada vez mais cínico ao longo dos anos, mas ainda me choca o quão terrivelmente incorreta a profissão médica pode ser face à evidência esmagadora e o simples senso comum. Agora que as turmas que concluem o curso em medicina são aproximadamente 50% mulheres 50% homens, esperemos que as coisas mudem para o melhor.

Mais sobre lacticínios na infância e juventude:

Mais sobre gravidez saudável:

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do original Treating Infant Colic by Changing Mom’s Diet e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas

Clique no link e depois em “sources cited” para ver a lista de fontes de evidência científica.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

Tratar Cólica Infantil Alterando a Dieta da Mãe

Cólica afeta até 40% dos bebés, caracterizada por períodos prolongados de choro inconsolável. Esta condição é frequentemente dispensada como trivial pela profissão médica, mas deve ser tratada seriamente. Pode contribuir para depressão pós-parto, interferir com a amamentação, e até mesmo levar à morte da criança nas mãos de um dos pais, por síndrome do bebé sacudido. Eles não são apenas bebés chorões. Cólica é dor. A profissão médica tem um historial escandaloso não apenas de negar alívio da dor às crianças, mas também de praticar, de forma rotineira, cirurgia em crianças, com anestesia mínima ou sem anestesia, nos anos 1980. Um caso famoso em 1985 foi o do pequeno Jeffrey Lawson, que passou por uma cirurgia de coração aberto totalmente acordado e consciente. Apenas lhe administraram uma droga para paralizá-lo, para que ele não se mexesse, mas, como em um filme de terror, não se podia mexer, mas podia sentir tudo. Isso não foi feito por um cirurgião louco, torturar bebés era um procedimento operatório padrão nos anos 80. Não nos 1880, percebam, mas em 1980. O consórcio entre a Academia Americana de Pediatria e a Sociedade de Anestesistas comentou que o uso de agentes paralizantes era uma técnica padrão e tradicionalmente honrada. A profissão tem um histórico de negar a dor infantil. Eles pensavam que os bebés não podiam sentir dor. Até hoje, a maioria dos médicos não usa anestésicos ou mesmo anestesia local para circuncisões, por exemplo, um procedimento tão traumático que bebés demonstram respostas mais dolorosas às vacinações, mesmo após meses. Pensa-se que a dor da cólica é causada por desconforto gastrointestinal, como cãibras intestinais. Nos meus vídeos sobre intestino irritável e sobre relaxamento do cólon antes de uma colonoscopia falei sobre o papel do óleo de hortelã na redução de espasmos intestinais, então, será que ajuda com cólicas? Algumas gotas de solução de folha de hortelã pareceu reduzir o número de episódios de cólica pela metade, e reduziu o choro diário de três horas para duas horas, funcionando tão bem quanto o principal remédio sem prescrição para as cólicas, chamado simethicone. O problema é que o simethicone tem sido acusado de não ter qualquer benefício para cólicas, então dizer que hortelã é tão bom quanto algo inútil não é necessariamente uma aprovação. E a American Academy of Pediatrics recomenda cuidado quanto ao uso de óleo de hortelã em crianças. Um estudo demonstrou que uma infusão de ervas poderia ser benéfica, mas os pais foram advertidos a não a usarem, não apenas porque o chá pode interferir na continuidade da amamentação, mas também pela falta de regulamentação adequada na indústria de chá. Por exemplo, chá de anis estrelado é comummente usado para cólicas. Anis estrelado chinês é considerado seguro e não-tóxico, mas anis estrelado japonês é venenoso. Eles parecem iguais, mas anis estrelado japonês contém uma neurotoxina potente, e foi encontrado em casos de contaminação de anis estreldo nos E.U.A., e então não o devíamos dar às crianças. Há inclusive um relatório de toxicidade de uma dose homeopática de beladona, também conhecida como erva-moura mortal, que, evidentemente, não era homeopática o suficiente. E mais uma. Só porque é homeopático, não significa necessariamente que é seguro. Não é melhor quando os médicos as prescrevem, contudo. As drogas usadas para cólicas também são feitas com beladona. As drogas podem funcionar, mas não deviam ser usadas por causa dos seus sérios efeitos secundários. E quanto ao nosso bom e velho amigo, o arroto? Arrotar depois de amamentar é comumente aconselhado por pediatras, enfermeiras, websites de parentalidade, para promover a eliminação de gases que acumulam durante a amamentação com o objetivo de diminuir o desconforto e os episódios de choro, mas as evidências científicas para a eficácia do arroto estava em falta, até este estudo randomizado e controlado de 2014 sobre prevenção de cólicas e regurgitação, também conhecido como golfar, em crianças saudáveis. Então o que é que eles descobriram? Inútil para cólicas, e… fez as regurgitações piorarem. Bebés que arrotam golfam duas vezes mais que bebés que não arrotam! Então o que seria um tratamento eficaz? A eliminação de proteína de leite de vaca, considerando que a cólica possa ser algum tipo de resposta alérgica. Décadas atrás, foi demonstrado que crianças alimentadas com leite de vaca desenvolveram anticorpos em resposta às proteínas bovinas, o que pode explicar por que as cólicas podem melhorar após mudar de um leite à base de leite de vaca para ou uma fórmula hipoalergénica de proteína hidrolizada ou para leite à base de soja. Crianças amamentadas têm taxas similares de cólicas, comparadas com crianças que tomam fórmulas, mas isso pode ser poro leite materno de mães que bebem leite de vaca contém proteínas de leite de vaca. Sabemos que as proteínas de leite de vaca podem passar para o leite materno e causar algumas reações alérgicas sérias, mas e quanto a cólicas? Baseado em estudos de bebés alimentados com fórmulas infantis, a cólica já era um sintoma bem conhecido de intolerância à proteína do leite de vaca nos anos 1970, então, considerando que as cólicas em bebés alimentados a leite materno pode ser causada por proteínas do leite de vaca transmitidas da mãe para o bebé por via do leite materno, eles tentaram uma dieta livre de laticínios em mães que amamentavam cujos bebés tinham cólicas. De 19 crianças, a cólica desapareceu rapidamente em 13, e em 12 desses 13 eles conseguiram mostrar que podiam trazer a cólica de volta desafiando as mães com um pouco de laticínios. Por exemplo, um bebé desenvolveu cólicas que desapareceram quase completamente após um dia de a mãe ter eliminado com o leite de vaca, e rapidamente voltava se a mãe voltasse a consumir laticínios. A pesquisa concluiu que o tratamento de cólicas infantis em bebés alimentados a leite materno é uma dieta sem leite de vaca para a mãe, uma recomendação que continua até hoje. Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa em nutrição. Publicações em Português / traduções voluntárias em NF.FOCOEMPATICO.NET
Recolher Transcrição

Imagens graças a OmarMedinaFilms via Pixabay e MarkSweep via Wikimedia

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *