Os Suplementos de Vitamina D Ajudam com Diabetes, Perda de Peso e Pressão Arterial?

Aqueles com níveis mais elevados de vitamina D tendem a ter taxas mais baixas de obesidade, diabetes, e hipertensão, mas será causa e efeito? Estudos intervencionistas finalmente colocaram a vitamina à prova.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Esta é a primeira parte de uma série de seis vídeos com o mais recente sobre vitamina D. Fiquem atentos para:

Para alguns dos meus vídeos anteriores sobre suplementos, vejam:

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do original Do Vitamin D Supplements Help with Diabetes, Weight Loss, and Blood Pressure? e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas

J P Ekwaru, J D Zwicker, M F Holick, E Giovannucci, P J Veugelers. The importance of body weight for the dose response relationship of oral vitamin D supplementation and serum 25-hydroxyvitamin D in healthy volunteers. PLoS One. 2014 Nov 5;9(11):e111265.

N G Forouhi, Z Ye, A P Rickard, K T Khaw, R Luben, C Langenberg, N J Wareham. Circulating 25-hydroxyvitamin D concentration and the risk of type 2 diabetes: results from the European Prospective Investigation into Cancer (EPIC)-Norfolk cohort and updated meta-analysis of prospective studies. Diabetologia. 2012 Aug;55(8):2173-82.

F Oz, A Y Cizgici, H Oflaz, A Elitok, E B Karaayvaz, F Mercanoglu, Z Bugra, B Omer, K Adalet, A Oncul. Impact of vitamin D insufficiency on the epicardial coronary flow velocity and endothelial function. Coron Artery Dis. 2013 Aug;24(5):392-7.

K Pathak, M J Soares, E K Calton, Y Zhao, J Hallett. Vitamin D supplementation and body weight status: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Obes Rev. 2014 Jun;15(6):528-37.

P Pludowski, M F Holick, S Pilz, C L Wagner, B W Hollis, W B Grant, Y Shoenfeld, E Lerchbaum, D J Llewellyn, K Kienreich, M Soni. Vitamin D effects on musculoskeletal health, immunity, autoimmunity, cardiovascular disease, cancer, fertility, pregnancy, dementia and mortality-a review of recent evidence. Autoimmun Rev. 2013 Aug;12(10):976-89.

J C Seida, J Mitri, I N Colmers, S R Majumdar, M B Davidson, A L Edwards, D A Hanley, A G Pittas, L Tjosvold, J A Johnson. Clinical review: Effect of vitamin D3 supplementation on improving glucose homeostasis and preventing diabetes: a systematic review and meta-analysis. J Clin Endocrinol Metab. 2014 Oct;99(10):3551-60.

A Alyami, M J Soares, J L Sherriff, J C Mamo. Vitamin D & endothelial function. Indian J Med Res. 2014 Oct;140(4):483-90.

L A Beveridge, A D Struthers, F Khan, R Jorde, R Scragg, H M Macdonald, J A Alvarez, R S Boxer, A Dalbeni, A D Gepner, N M Isbel, T Larsen, J Nagpal, W G Petchey, H Stricker, F Strobel, V S Tangpricha, L Toxqui, M P Vaquero, L Wamberg, A Zittermann, M D Witham; D-PRESSURE Collaboration. Effect of Vitamin D Supplementation on Blood Pressure: A Systematic Review and Meta-analysis Incorporating Individual Patient Data. JAMA Intern Med. 2015 May;175(5):745-54.

M J Glade. Vitamin D: health panacea or false prophet? Nutrition. 2013 Jan;29(1):37-41.

W E Stumpf. Vitamin D and the scientific calcium dogma: understanding the ‘Panacea’ of the sun. Eur J Clin Nutr. 2012 Oct;66(10):1080-1.

A Hossein-nezhad, M F Holick. Optimize dietary intake of vitamin D: an epigenetic perspective. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2012 Nov;15(6):567-79.

K Kupferschmidt. Uncertain verdict as vitamin D goes on trial. Science. 2012 Sep 21;337(6101):1476-8.

C L Taylor, P R Thomas, J F Aloia, P S Millard, C J Rosen. Questions About Vitamin D for Primary Care Practice: Input From an NIH Conference. Am J Med. 2015 Nov;128(11):1167-70.

P Autier, M Boniol, C Pizot, P Mullie. Vitamin D status and ill health: a systematic review. Lancet Diabetes Endocrinol. 2014 Jan;2(1):76-89.

J Wortsman, L Y Matsuoka, T C Chen, Z Lu, M F Holick. Decreased bioavailability of vitamin D in obesity. Am J Clin Nutr. 2000 Sep;72(3):690-3.

C L Rock, J A Emond, S W Flatt, D D Heath, N Karanja, B Pakiz, N E Sherwood, C A Thomson. Weight loss is associated with increased serum 25-hydroxyvitamin D in overweight or obese women. Obesity (Silver Spring). 2012 Nov;20(11):2296-301.

W E Stumpf. Vitamin D sites and mechanisms of action: a histochemical perspective. Reflections on the utility of autoradiography and cytopharmacology for drug targeting. Histochem Cell Biol. 1995 Dec;104(6):417-27.

M Vukić, A Neme, S Seuter, N Saksa, V D de Mello, T Nurmi, M Uusitupa, T P Tuomainen, J K Virtanen, C Carlberg. Relevance of vitamin D receptor target genes for monitoring the vitamin D responsiveness of primary human cells. PLoS One. 2015 Apr 13;10(4):e0124339.

A Hossein-nezhad, A Spira, M F Holick. Influence of vitamin D status and vitamin D3 supplementation on genome wide expression of white blood cells: a randomized double-blind clinical trial. PLoS One. 2013;8(3):e58725.

P Knekt, A Aromaa, J Maatela, R K Aaran, T Nikkari, M Hakama, T Hakulinen, R Peto, L Teppo. Vitamin E and cancer prevention. Am J Clin Nutr. 1991 Jan;53(1 Suppl):283S-286S.

R Wolf, D Wolf, V Ruocco. Vitamin E: the radical protector. J Eur Acad Dermatol Venereol. 1998 Mar;10(2):103-17.

L M De Luca, S A Ross. Beta-carotene increases lung cancer incidence in cigarette smokers. Nutr Rev. 1996 Jun;54(6):178-80.

R Muggli. beta-Carotene and disease prevention. J Nutr Sci Vitaminol (Tokyo). 1992;Spec No:560-3.

M K Horwitt. The promotion of vitamin E. J Nutr. 1986 Jul;116(7):1371-7.

G Bjelakovic, D Nikolova, L L Gluud, R G Simonetti, C Gluud. Mortality in randomized trials of antioxidant supplements for primary and secondary prevention: systematic review and meta-analysis. JAMA. 2007 Feb 28;297(8):842-57.

T Kummet, T E Moon, F L Meyskens Jr. Vitamin A: evidence for its preventive role in human cancer. Nutr Cancer. 1983;5(2):96-106.

Y J Foss. Vitamin D deficiency is the cause of common obesity. Med Hypotheses. 2009 Mar;72(3):314-21.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

Os Suplementos de Vitamina D ajudam com Diabetes, Perda de Peso e Pressão Arterial?

A minha última série de vídeos aprofundando a vitamina D foi feita há mais de 4 anos atrás, como que 15.950 artigos atrás. Tive muita leitura em atraso para apanhar. Artigos de revisão como este continuam a ser publicados, divulgando a vitamina D como uma verdadeira cura tudo.

O receptor de vitamina D é encontrado na maioria dos tecidos do corpo, incluindo o cérebro. Mais de 2.000 genes podem ser regulados pela vitamina D. Em 24 horas de exposição a vitamina D, pode-se alterar a expressão de centenas de genes. O termo vitamina, porém, é realmente um equívoco. As vitaminas, por definição, não podem ser sintetizadas dentro do nosso corpo, mas podemos fazer toda a D que precisamos com exposição solar suficiente. D não é uma vitamina, mas uma hormona produzida pela nossa pele em resposta à exposição à luz solar. E não é apenas uma hormona de regulação do cálcio e saúde óssea, mas uma hormona da fertilidade e imunidade e função cerebral. Mas será uma panaceia ou um falso profeta?

Lembram-se de quando a vitamina E era a vitamina do momento, apontada como curativa para muitas desordens clínicas? Vitamina E: o protetor radical, com as vendas de suplementos em geral a formarem um negócio de bilhões de dólares para capitalizar com os medos do público. Afinal de contas, aqueles com níveis baixos de vitamina E no sangue tinham 50% maior risco de cancro. Hei, e quanto à vitamina A ou o beta-caroteno? Afinal de contas, as pessoas que comem montes de verduras e batata doce e outros alimentos ricos em beta-caroteno têm menor risco de cancro. Então, hei, vamos dar às pessoas alguns suplementos de beta-caroteno. Mas quando foram postos à prova, os suplementos de beta-caroteno aumentaram as taxas de cancro. Os suplementos de beta-caroteno, vitamina A e vitamina E podem aumentar a mortalidade. Com efeito estaríamos potencialmente a PAGAR para encurtar o nosso tempo de vida.

Então, podem entender o ceticismo na comunidade médica a respeito das alegações quanto à vitamina D, a qual está agora a gozar o seu. . . “Momento ao Sol”. Haver uma indústria de suplementos de vitamina D de meio bilhão de dólares não ajuda em termos de se chegar à verdade, para não mencionar a indústria altamente lucrativa de testes de vitamina D que adora falar dos estudos que sugerem que ter níveis mais elevados de vitamina D pode reduzir o risco de doença cardíaca, e cancro, e diabetes, doenças auto-imunes, e infecções. Mas a maior parte desta investigação apoia-se em estudos de observação, ou seja, estudos que correlacionam níveis mais elevados de vitamina D no sangue com menor risco de doença. Mas isso não significa que a vitamina D seja a causa. É como os dados iniciais de beta-caroteno. Níveis mais elevados no sangue podem ter sido apenas um marcador de uma alimentação saudável. Quem tem elevados níveis de beta-caroteno? Aqueles que comem montes de verduras e batata-doce. Assim como também os níveis de vitamina D podem ser apenas um marcador para comportamentos saudáveis. Quem tem elevados níveis de vitamina D? Aqueles que correm lá fora. E aqueles que corem lá fora, CORREM lá fora. Níveis mais altos de vitamina D podem ser apenas um sinal de maior atividade física, por exemplo.

Então, quando se vê estudos como este, mostrando taxas de diabetes significativamente mais baixas entre aqueles com níveis mais elevados de vitamina D, isso não significa que dar às pessoas vitamina D irá necessariamente ajudar. É preciso pô-lo à prova. E quando o fazem, os suplementos de vitamina D caem horizontalmente na cara deles. Nenhum benefício para prevenir ou tratar diabetes tipo 2. Então, quando empresas de suplementos chamam a atenção a estudos como este, sugerindo que a deficiência de vitamina D desempenha um papel na obesidade, porque a maioria dos estudos populacionais mostram níveis mais baixos de vitamina D no sangue daqueles que são obesos, será isso apenas porque estão a exercitar-se menos, ou simplesmente por ser uma vitamina solúvel em gordura e por isso está apenas alojada em toda aquela gordura? Poder-se-ia esperar que banhistas obesos fariam mais vitamina D uma vez que têm maior área de superfície de pele, mas a mesma exposição resulta em menos de metade da vitamina D, por ficar enfiada na sua gordura. É por isso que as pessoas obesas podem necessitar de 2 a 3 vezes a dose de vitamina D, embora possam obtê-la de volta quando perdem peso e a libertam de volta para a sua circulação. Logo, isto poderia explicar estes dados populacionais. E, de facto, quando se coloca a vitamina D em teste, tentando usar a vitamina D como um tratamento para a obesidade, não funciona de todo. História semelhante com a saúde das artérias. Aqueles com níveis baixos de vitamina D têm pior fluxo sanguíneo coronário, mais aterosclerose e pior função arterial. Mas se o colocarmos realmente à prova em ensaios clínicos randomizados, os resultados são desanimadores. Também ineficaz na redução da pressão arterial.

Então, tudo isso adiciona a este crescente corpo de ciência, lançando dúvidas quanto à capacidade da suplementação de vitamina D em melhorar seja o que for para além de apenas quedas, fraturas, resfriado, e mortalidade por todas as causas — Esperem! O quê? suplementos de vitamina D podem fazer-nos viver mais tempo? Isso é importante. Vou explorar isso a seguir. . . Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa em nutrição. Publicações em Português em Nutricao-em-Fatos.org
Recolher Transcrição

Imagem graças a mojzagrebinfo, via Pixabay.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *