Pimento e Parkinson: Os Benefícios de Fumar sem os Riscos?

Poderá o conteúdo em nicotina dos vegetais solanaceae — tomates, batatas, beringelas, e pimentos — proteger contra a doença de Parkinson?

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Benefícios de fumar? Vejam o regozijo da indústria do tabaco no meu vídeo anterior: Há Algo no Tabaco Protetor Contra Doença de Parkinson? (Legendado em Português)

Os pimentos poderão ser melhores crus. Vejam O Melhor Método de Cozinhar (Legendado em Português).

E se comer produtos de tomate, escolha inteiros, esmagados ou fatiados em vez de molho de tomate, puré ou pasta. Porquê? Veja Inibindo a Ativação de Plaquetas com Sementes de Tomate.

A minha série de vídeos aprofundando a Dieta Mediterrânica pode ser encontrada aqui, para aqueles interessados:

 

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do original Peppers and Parkinson’s: The Benefits of Smoking Without the Risks? e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas

M Quik. Smoking, nicotine and Parkinson’s disease. Trends Neurosci. 2004 Sep;27(9):561-8.

M Quick, X A Perez, T Bordia. Nicotine as a potential neuroprotective agent for Parkinson’s disease. Mov Disord. 2012 Jul;27(8):947-57.

K Schutte-Borkovec, C W Heppel, A K Heling, E Richter. Analysis of myosmine, cotinine and nicotine in human toenail, plasma and saliva. Biomarkers. 2009 Aug;14(5):278-84.

A L Brody, M A Mandelkern, E D London, R E Olmstead, J Farahi, D Scheibal, J Jou, V Allen, E Tiongson, S I Chefer, A O Koren, A G Mukhin. Cigarette smoking saturates brain alpha 4 beta 2 nicotinic acetylcholine receptors. Arch Gen Psychiatry. 2006 Aug;63(8):907-15.

C M Tanner, S M Goldman, D A Aston, R Ottman, J Ellenberg, R Mayeux, J W Langston. Smoking and Parkinson’s disease in twins. Neurology. 2002 Feb 26;58(4):581-8.

S S Nielsen, G M Franklin, W T Longstreth, P D Swanson, H CHeckoway. Nicotine from edible Solanaceae and risk of Parkinson disease. Ann Neurol. 2013 Sep;74(3):472-7.

S Searles Nielsen, L G Gallagher, J I Lundin, W T Longstreth Jr, T Smith-Weller, G M Franklin, P D Swanson, H Checkoway. Environmental tobacco smoke and Parkinson’s disease. Mov Disord. 2012 Feb;27(2):293-6.

B Siegmund, E Leitner, W Pfannhauser. Determination of the nicotine content of various edible nightshades (Solanaceae) and their products and estimation of the associated dietary nicotine intake. J Agric Food Chem. 1999 Aug;47(8):3113-20.

E J O’Reily, H Chen, H Gardener, X Gao, M A Schwarzschild, A Ascherio. Smoking and Parkinson’s disease: using parental smoking as a proxy to explore causality. Am J Epidemiol. 2009 Mar 15;169(6):678-82.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

Pimento e Parkinson: Os benefícios de Fumar sem os Riscos

A doença de Parkinson é uma perturbação do movimento atacando 1% da nossa população mais idosa e é a 14ª principal causa de morte nos Estados Unidos. Não sabemos realmente o que a causa, mas sabemos que as pessoas com um historial de tabagismo aparentam ter apenas cerca de metade do risco. Claro que fumar é extremamente prejudicial para a saúde; qualquer benefício resultante de uma redução no risco de Parkinson é largamente ultrapassada pelo aumento dos riscos de cancro, doença cardíaca e doença pulmonar, mas isso não nos devia impedir de avaliar os componentes do tabaco por possíveis efeitos neuroprotetores, e a nicotina poderá encaixar bem. Se a nicotina for o agente responsável pelos efeitos neuroprotectores, haverá alguma maneira de obter o benefício sem os riscos? Bem, de onde é que a nicotina vem? Da planta do tabaco. Quaisquer outras plantas contêm nicotina? Bem, o tabaco é uma solanacea — ou seja, tabaco, tomate, batata, berinjela, e pimentos estão todos na mesma família. E adivinha? Todas elas também contêm nicotina. É por isso que não se consegue dizer se alguém é um fumador apenas pela presença de nicotina nos seus cortes de unha dos dedos do pé, porque os não-fumadores também têm alguma nicotina nas suas unhas. Está na nossa dieta diária. Mas quanto? O montante que obtemos pela dieta é, em média, centenas de vezes menos do que o que obtemos num único cigarro, logo, apesar de sabermos há 15 anos que há nicotina no ketchup, foi descartado como insignificante. Mas então aprendemos que mesmo apenas um ou dois bafos num cigarro podem saturar metade dos receptores de nicotina do nosso cérebro, logo, não é preciso muito. E então aprendemos que até mesmo apenas a exposição a fumo de segunda mão pode diminuir o risco de Parkinson, e não há muita nicotina nisso. Na verdade, só se seria exposto a tipo 3 microgramas de nicotina ao trabalhar em algum restaurante de fumadores, mas isso está na mesma medida daquilo que se pode obter a comer num restaurante para não fumadores. Então, a contribuição do consumo de nicotina dietética, simplesmente ao comer-se alguns vegetais saudáveis ,​​pode ser significativo. Assim, os pesquisadores decidiram pô-lo à prova. Olhando para o consumo de solanáceas, em geral, talvez tenham encontrado um risco menor em comparação com outros vegetais, mas diferentes solanáceas têm quantidades diferentes de nicotina. Eles não encontraram nenhuma em beringela, apenas um pouco em batatas, alguma em tomates, mas a maior parte em pimentos, e assim, quando isso foi levado em conta, um quadro muito mais forte emergiu. Eles descobriram que mais pimentos, significava mais proteção, e como seria de esperar, os efeitos da ingestão de alimentos contendo nicotina foi principalmente evidente em não fumadores, já que a nicotina do fumo iria, presumivelmente, mascarar qualquer efeito dietético. Então, isso poderia explicar porque foram encontradas associações de proteção contra Parkinson e o consumo de tomates, batatas, e uma dieta mediterrânica rica em pimentos e tomates. Poderão os vegetais solanáceos ajudar também com o tratamento de Parkinson? Bem, os resultados dos ensaios com pastilhas de nicotina e adesivos têm saído aos remendos [inconstantes]. Logo, talvez a nicotina apenas ajude a prevenir, em primeiro lugar, ou talvez não seja da nicotina de todo, mas algum outro fitoquímico na família do tabaco e pimenta? Eles concluem que os seus resultados precisarão de ser reproduzidos para ajudar a estabelecer uma causa-efeito antes de se considerar intervenções dietéticas para prevenir a doença de Parkinson, mas quando a intervenção dietética é tipo comer pratos mais saborosos e saudáveis ​​como pimentos recheados com molho de tomate, Não vejo a razão para termos que esperar. Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa em nutrição. Publicações em Português em Nutricao-em-Fatos.org
Recolher Transcrição

Imagem graças a inspiredimages via pixabay.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *