Soja Transgénica e Cancro da Mama

Os efeitos hormonais do pesticida Roundup da soja transgénica postos em persectiva.

Notas do Dr. Michael Greger

Este é o último episódio de uma série de 4 vídeos sobre a mais recente ciência quanto às implicações para a saúde pública das culturas geneticamente modificadas na nossa alimentação. Vejam os primeiros três aqui:

Para mais sobre soja e cancro da mama, vejam Breast Cancer Survival and Soy e BRCA Breast Cancer Genes and Soy.

Para colocar a questão dos OGMs em perspectiva em termos de morte e invalidez resultantes da dieta americana padrão, vejam Lifestyle Medicine: Treating the Causes of Disease e as minhas apresentações ao vivo Arrancando as Principais Causas de Morte Pela Raiz e From Table to Able: Combating Disabling Diseases with Food.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Fontes citadas

P J Mink, J S Mandel, B K Sceurman, J I Lundin. Epidemiologic studies of glyphosate and non-cancer health outcomes: a review. Regul Toxicol Pharmacol. 2011 Nov;61(2):172-84.

P J Mink, J S Mandel, B K Sceurman, J I Lundin. Epidemiologic studies of glyphosate and cancer: a review. Regul Toxicol Pharmacol. 2012 Aug;63(3):440-52.

S Thongprakaisang, A Thiantanawat, N Rangkadilok, T Suriyo, J Satayavivad. Glyphosate induces human breast cancer cells growth via estrogen receptors. Food Chem Toxicol. 2013 Sep;59:129-36.

A L Williams, R E Watson, J M DeSesso. Developmental and reproductive outcomes in humans and animals after glyphosate exposure: a critical analysis. J Toxicol Environ Health B Crit Rev. 2012;15(1):39-96.

R Belle, J Marc, J Morales, P Cormier, O Mulner-Lorillon. Letter to the editor: toxicity of Roundup and glyphosate. J Toxicol Environ Health B Crit Rev. 2012;15(4):233-5.

V F Garry, M E Harkins, L L Erickson, L K Long-Simpson, S E Holland, B L Burroughs. Birth defects, season of conception, and sex of children born to pesticide applicators living in the Red River Valley of Minnesota, USA. Environ Health Perspect. Jun 2002; 110(Suppl 3): 441–449.

A J De Roos, A Blair, J A Rusiecki, J A Hoppin, M Svec, M Dosemeci, D P Sandler, M C Alavanja. Cancer incidence among glyphosate-exposed pesticide applicators in the Agricultural Health Study. Environ Health Perspect. 2005 Jan;113(1):49-54.

A J De Roos, S Zahm, K Cantor, D Weisenburger, F Holmes, L Burmeister, A Blair. Integrative assessment of multiple pesticides as risk factors for non-Hodgkin’s lymphoma among men. Occup Environ Med. Sep 2003; 60(9): e11.

R Mesnage, N Defarge, J Spiroux de Vendomois, G E Seralini. Major Pesticides Are More Toxic to Human Cells Than Their Declared Active Principles. Biomed Res Int. 2014; 2014: 179691.

G Wang, X N Fan, Y Y Tan, Q Cheng, S D Chen. Parkinsonism after chronic occupational exposure to glyphosate. Parkinsonism Relat Disord. 2011 Jul;17(6):486-7.

M Kramkowska, T Grzelak, K Czyzewska. Benefts and risks associated with genetically modifed food products. Ann Agric Environ Med. 2013;20(3):413-9.

D Butler, T Reichardt. Long-term effect of GM crops serves up food for thought. Nature. 1999 Apr 22;398(6729):651-6.

B T Hour, C Belen, T Zar, Y H Lien. Herbicide roundup intoxication: successful treatment with continuous renal replacement therapy. Am J Med. 2012 Aug;125(8):e1-2.

E D Louis, L Winfield, S Fahn, B Ford. Speech Dysfluency Exacerbated by Levodopa in Parkinson’s Disease. Movment Disorders Volume 16 Issue 3 pages 562-565, May 2001.

J Stella, M Ryan. Glyphosate herbicide formulation: a potentially lethal ingestion. Emerg Med Australas. 2004 Jun;16(3):235-9.

S F Weng, D Z Hung, S Y Hu, Y T Tsan, L M Wang. Rhabdomyolysis from an intramuscular injection of glyphosate-surfactant herbicide. Clin Toxicol (Phila). 2008 Nov;46(9):890-1.

D L Katz. Facing the facelessness of public health: what’s the public got to do with it? Am J Health Promot. 2011 Jul-Aug;25(6):361-2.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

“Soja Transgénica e Cancro da Mama”

Em resposta às preocupações levantadas quanto à toxicidade do pesticida Roundup da Monsanto, que acaba em alimentos geneticamente modificados, os cientistas da Monsanto responderam que esses experimentos in vitro utilizaram concentrações fisiologicamente irrelevantes, significando que pingaram Roundup sobre células numa placa de Petri com níveis muito acima do que seria realisticamente encontrado no corpo humano. Claro que provavelmente não é uma boa idéia acidentalmente misturar o nosso álcool com o Roundup e engolir a coisa, ou… tentar cometer suicídio bebendo-o, ou injetá-lo em si próprio. E os raros casos de Parkinson relatados foram após ser-se diretamente pulverizado com a coisa, ou trabalhar-se durante anos numa instalação de produção de pesticidas, mas isso não é a exposição típica do consumidor. Alguns dos pesquisadores responderam à acusação da Monsanto dizendo, olha, nós utilizámos os tipos de concentrações que são usadas ​​nos campos. Portanto cada pequena gota que vocês pulverizam por todo o mundo está acima do limiar de concentração que descobrimos causar efeitos adversos. O pessoal da Monsanto respondeu a dizer, sim, essa é a concentração que pulverizamos, mas essa não é a concentração em que as células humanas se banham. Uma vez que chega à água potável ou alimentos, está altamente diluído. E eles são rápidos em apontar, se você vir as pessoas com maior exposição, trabalhadores de pesticidas, a grande maioria dos estudos não mostra nenhuma ligação entre o uso de Roundup e doenças cancerígenas ou não-cancerosas. Existem alguns achados sugestivos sugerindo uma ligação com linfoma não Hodgkin. Um estudo de aplicadores de pesticidas sugerem uma associação com mieloma múltiplo, e um estudo dos filhos de aplicadores de agrotóxicos encontraram uma associação provisória com TDAH. Mas, novamente, estas são pessoas que se espera terem um nível de exposição muito maior do que a população em geral, a qual pode apenas apanhar algumas partes por milhão na sua alimentação. Mas nunca houveram quaisquer estudos feitos sobre os níveis minúsculos encontrados a circular no corpo das pessoas… …até agora. Os limites máximos de resíduos são fixados em partes por milhão; as concentrações encontradas dentro de corpos humanos é medida em partes por bilião. Este estudo descobriu que o glifosato pode ativar os receptores de estrogénio em apenas algumas partes por trilião… …aumentando o crescimento de células de cancro da mama humanas positivas ao receptor de estrogénio, em placas de Petri. Estes resultados indicam que concentrações verdadeiramente relevantes do pesticida encontradas na soja transgénica possuem atividade estrogénica. Mas o consumo de soja por si próprio está associado a um menor risco de cancro de mama, e melhorou a sobrevivência ao cancro da mama. Isso poderá ser por a maioria da soja OGM nos EUA é alimentada a frangos, porcos e vacas. É usada para a alimentação animal, enquanto que a maioria dos grandes fabricantes de alimentos de soja usam soja não-OGM. Ou poderia ser por os benefícios de se comer qualquer tipo de soja poderão superar os riscos, mas porquê aceitar qualquer risco de todo quando podemos escolher produtos de soja orgânica, que por lei excluem OGMs. A questão de fundo é que não há dados humanos diretos que sugiram danos por se comer OGMs, embora, para se ser justo, tais estudos nem foram feitos, que é exatamente o ponto que os críticos contrariam. É por isso que precisamos de rotulagem obrigatória de produtos OGM de modo que os pesquisadores de saúde pública possam controlar se os OGMs estão a ter quaisquer efeitos adversos. É importante colocar a questão dos OGM em perspectiva, contudo. Como já demonstrei, há mudanças na dieta e no estilo de vida que podemos fazer que poderiam eliminar a maioria de doença cardíaca, AVCs, diabetes e cancro. Milhões de vidas poderiam ser salvas. Uma dieta saudável o suficiente pode até mesmo reverter o nosso assassino # 1, a doença cardíaca. E então estou solidário com a exasperação da indústria da biotecnologia quanto às preocupações sobre OGMs quando ainda temos pessoas a morrer de tudo o mais que estão a comer. Como uma revisão concluiu, “O consumo de alimentos geneticamente modificados implica risco de efeitos indesejáveis, semelhante ao consumo de alimentos tradicionais”. Por outras palavras, escolher as bolachas Maria não-OGM não está a fazer ao nosso corpo grande favor.”Recolher Transcrição

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *