Reversão de Diabetes: Serão as Calorias ou os Alimentos?

Mesmo quando os sujeitos do estudo foram forçados a comer tanto que nem perderam peso nenhum, uma dieta baseada em plantas ainda pôde reverter diabetes do tipo 2 numa questão de semanas.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Apesar de termos dúzias de vídeos sobre diabetes, acho que este é o mais poderoso que alguma vez fiz. Por favor partilhem este vídeo de mudança, salva-vidas, com todas as pessoas que conhecem com diabetes do tipo 2 ou em risco desta doença temível. Isto devia ser visto por todos os profissionais de saúde. Oxalá tivesse visto isto quando era estudante de medicina! Se este tipo de vídeos beneficiaram-te a ti ou aos teus entes queridos, por favor considerem doar um apoio mensal [NT: Apoio destinado à fonte dos conteúdos – Nutritionfacts.org – e não à iniciativa de tradução e publicação – Nutricao-em-fatos.org – apesar de ambas as iniciativas serem voluntárias e sem fins lucrativos].

Esta é a parte final de uma série de 3 vídeos. Se perderam as primeiras duas, vejam Reverter Diabetes com Cirurgia e Revertendo Diabetes com Alimentação (Legendadas em Português).

Mais sobre o trabalho notável do Dr. Kempner aqui:

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do original Diabetes Reversal: Is it the Calories or the Food? e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas

W Kempner, R L Peschel, C Schlayer. Effect of rice diet on diabetes mellitus associated with vascular disease. Postgrad Med. 1958 Oct;24(4):359-71.

D M Dunaief, J Fuhrman, J L Dunaief, G Ying. Glycemic and cardiovascular parameters improved in type 2 diabetes with the high nutrient density (HND) diet. Journal: Open Journal of Preventive Medicine; ISSN 2162-2477; Vol. 02; Issue: 03; Start page: 364; Date: 2012.

S Steven, E L Lim, R Taylor. Population response to information on reversibility of Type 2 diabetes. Diabet Med. 2013 Apr;30(4):e135-8.

E L Lim, K G Hollingsworth, B S Aribisala, M J Chen, J C Mathers, R Taylor. Reversal of type 2 diabetes: normalisation of beta cell function in association with decreased pancreas and liver triacylglycerol. Diabetologia. 2011 Oct;54(10):2506-14.

C B Trapp, N D Barnard. Usefulness of vegetarian and vegan diets for treating type 2 diabetes. Curr Diab Rep. 2010 Apr;10(2):152-8.

J W Anderson, K Ward. High-carbohydrate, high-fiber diets for insulin-treated men with diabetes mellitus. Am J Clin Nutr. 1979 Nov;32(11):2312-21.

I M Rabinowitch. Effects of the High Carbohydrate-Low Calorie Diet Upon Carbohydrate Tolerance in Diabetes Mellitus. Can Med Assoc J. 1935 Aug;33(2):136-44.

I M Rabinowitch. Experiences with a High Carbohydrate-Low Calorie Diet for the treatment of Diabetes Mellitus. Can Med Assoc J. 1930 Oct;23(4):489-98.

D R Young, W M Vollmer, A C King, A J Brown, V J Stevens, P J Elmer, S Craddick, D L Sturtevant, D W Harsha, L J Appel. Can individuals meet multiple physical activity and dietary behavior goals? Am J Health Behav. 2009 May-Jun;33(3):277-86.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

Reversão de Diabetes: Serão as Calorias ou os Alimentos?

Reversão da diabetes devia ser o objetivo no tratamento de diabetes tipo 2, não apenas controle da doença. A Diabetes tipo 2 pode ser revertida com uma dieta extremamente baixa em calorias. A Diabetes tipo 2 pode ser revertida com uma dieta extremamente saudável, mas será isso por ser também um dieta com poucas calorias? Os pacientes do estudo perderam tanto peso na dieta baseada em plantas e rica em folhas verdes quanto na dieta de fome baseada em substituições por refeições líquidas. Então, fará diferença aquilo que comemos desde que sejam tão poucas calorias que perdemos quase 7 quilos por mês? Bom, mesmo se a reversão da diabetes fosse alcançada apenas com restrição calórica, em vez de se alimentar em grande parte com açúcar, leite em pó, xarope de milho e óleo, numa dieta à base de plantas pelo menos você pode comer comida, comida de verdade, quilos de comida por dia, tantos vegetais de baixas calorias quantos couberem na sua barriga. Então mesmo que apenas funcionasse por ser apenas outra dieta de restrição calórica, é certamente uma versão mais saudável, mas mesmo participantes que não perderam peso, ou até ganharam peso, comendo enormes quantidades de alimentos vegetais integrais pareceram melhorar sua diabetes. Logo, os efeitos benéficos deste tipo de dieta parecem extender-se além de apenas gerar perda de peso. O tratamento bem sucedido de diabetes tipo 2 com um dieta à base de plantas já existia na década de 1930, garantindo evidências incontestáveis de que uma dieta centrada ao redor de vegetais, frutas, grãos e feijões era mais eficiente no controle de diabetes do que qualquer outro tratamento dietético. Estudo controlado randomizado: os requisitos de insulina foram reduzidos pela metade; um quarto parou completamente a insulina, mas, novamente, esta era uma dieta de baixas calorias. Kempner da Duke reportou resultados similares 20 anos depois com a sua dieta de arroz e frutas, pela primeira vez, demonstrando reversão documentada de retinopatia diabética num quarto de seus pacientes, algo que nem se pensava possível anteriormente. Por exemplo, uma senhora diabética de 60 anos já cega de um olho, apenas conseguia ver contornos de objetos grandes com o outro olho. Cinco anos depois na dieta, em vez de ficar pior, melhorou. Agora ela podia distinguir rostos, ler sinais, jornais com fonte grande, além de parar de tomar insulina, com açúcar sanguíneo normal, e uma queda de 100 pontos no seu colesterol. Ou outro paciente, de conseguir ler apenas títulos das notícias para ser capaz de ler o jornal, quatro meses depois. O que estava por trás dessas reversões impressionantes? Seria por a dieta ser baixa em gorduras, ou por não haver proteína animal nem gordura animal ou… seria porque a dieta era tão restrita e monótona que os pacientes perderam peso e melhoraram suas diabetes dessa forma? Então para entender isso melhor, o que precisaríamos seria um estudo onde colocassem as pessoas numa dieta saudável, mas forçassem as pessoas a comerem tanto que elas não perderiam nenhum peso, aí poderíamos ver se uma dieta a base de plantas tem benefícios independentemente da perda de peso. Para isso, tivemos que esperar outros 20 anos, mas aqui está. As dietas foram elaboradas para manterem o peso. Então as pessoas foram pesadas diariamente e se começassem a perder peso eram obrigadas a comer mais. Na verdade, era tanta comida que alguns participantes não conseguiam comer tudo, tipo “outra salada não!” Mas por fim eles adaptaram-se, e então não houve alterações significativas do peso corporal mesmo com as restrições em carne, produtos lácteos e ovos, e vegetais integrais suficientes: grãos, feijões, vegetais e frutas, para se alcançar 65 gramas de fibra por dia. Isso é quatro vezes mais do que uma dieta estadounidense padrão contém. A dieta de controle que eles usaram foi uma dieta diabética convencional, que na verdade tinha quase duas vezes mais fibra que um dieta estadounidense padrão, então, provavelmente era mais saudável do que o que estas pessoas costumavam comer. Bom, e como é que se saíram? Com zero perda de peso, a intervenção dietética ainda assim ajudou? Aqui está o antes e depois dos requisitos de insulina das 20 pessoas que eles colocaram na dieta. Este é o número de unidades de insulina que eles tinham que auto injetar antes e depois de fazerem a dieta à base de plantas. No geral, os requerimentos de insulina foram reduzidos cerca de 60%; metade conseguiu parar a insulina completamente, mesmo sem mudança no peso. Então isso aconteceu após cinco anos, ou sete meses, como os outros estudos que eu mostrei? Não. 16… …dias! Então estamos a falar de diabéticos que têm diabetes há 20 anos, injetando 20 unidades de insulina por dia, e tão poucos quanto 13 dias depois, pararam a insulina completamente, graças a menos de duas semanas numa dieta à base de plantas. Paciente 15: 32 unidades de insulina na dieta de controle, e 18 dias depois, sem insulina. Baixo açúcar sanguíneo com 32 unidades a menos de insulina. Este é o poder das plantas. E como um bónus, o colesterol deles caiu como uma pedra, em 16 dias. Assim como mudanças moderadas na dieta normalmente resultam em apenas reduções modestas em colesterol, pedir para pessoas com diabetes fazerem mudanças moderadas comumente alcança resultados igualmente moderados, que é possivelmente a razão pela qual a maioria acaba a tomar remédios, injeções ou os dois. Tudo em moderação talvez seja uma frase mais verdadeira do que as pessoas percebem. Mudanças moderadas na dieta podem deixar a pessoa com cegueira moderada, falência renal moderada, amputações moderadas — talvez apenas alguns dedinhos. Moderação em tudo não é necessariamente uma coisa boa. Enquanto médicos, quanto mais exigirmos de nossos pacientes, mais receberemos. A antiga frase “Aponta para a Lua” parece ser aplicável. Pode ser mais eficaz que limitar os pacientes a passos pequenos que podem parecer mais fáceis, mas não são suficientes para realmente parar a doença. Todas as publicações em Português em NUTRICAO-EM-FATOS.ORG
Recolher Transcrição

Imagens graças a Gerd Altmann via Pixabay e Daniellehelm, S, e Alan Cleaver via Flickr.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *