Receptores Específicos para Frutas e Vegetais Específicos

A diversidade alimentar é importante porque cada família de plantas tem uma combinação única de fitonutrientes que podem ligar-se a proteínas específicas no nosso corpo.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Esta é uma das razões de eu ter desenvolvido a minha Dúzia Diária de alimentos a incorporar numa rotina. Podes baixar a aplicação para iPhone e Android gratuitamente.

Cobri anteriormente como a variedade dos alimentos — não apenas a quantidade e qualidade — pode ser importante, em Maçãs e Laranjas: Diversidade Alimentar e Anti-Inflamação na Variedade da Horta.

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do original Specific Receptors for Specific Fruits and Vegetables e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas
Desenrole a Transcrição aqui

Receptores Específicos para Frutas e Vegetais Específicos” De acordo com uma pesquisa recente, o número de americanos que dizem que estão a comer “praticamente o que quiserem” está no maior de sempre, o que, infelizmente, inclui muito poucas frutas e vegetais, bem como muito pouca variedade. Metade de todas as porções de fruta constituem-se por apenas seis alimentos: Sumo de laranja, bananas, sumo de maçã, maçãs, uvas e melancias. E metade dos vegetais são compostos de alface iceberg, batatas congeladas, batata nova, batata frita, e tomates enlatados. Não só não estamos a comer o suficiente, ponto, e em falta das ​​frutas mais saudáveis — bagas, e ​​dos vegetais mais saudáveis — folhas verdes escuras, a palheta de frutas e vegetais para o nosso paladar está tristemente em falta. Por que é que a diversidade da dieta importa? Porque diferentes alimentos podem afetar problemas diferentes. Repolho, couve-flor, couve brócolis, e couve bruxelas estão associados com menor risco de cancro de cólon no meio e lado direito do nosso corpo, enquanto que o risco de cancro do cólon na parte inferior do lado esquerdo do nosso corpo parece ser melhor reduzido com cenouras, abóboras e maçãs. Então, diferentes frutas e vegetais podem conferir diferentes riscos de cancro em diferentes partes até do mesmo órgão. A variedade é o tempero da vida e pode prolongá-la. Independente da quantidade, a variedade no consumo de frutas e vegetais pode diminuir o risco de cancro de pulmão, ou seja, se duas pessoas comerem o mesmo número de frutas e vegetais, aquela a comer uma maior variedade pode estar com risco mais baixo. E não é só para cancro. Num estudo de milhares de homens e mulheres, uma maior quantidade de vegetais e uma maior variedade podem ser independentemente benéficos na redução do risco de diabetes tipo II. Mesmo depois de se remover os efeitos da quantidade, cada dois itens diferentes adicionais por semana de aumento na variedade de consumo de frutas e vegetais foi associada com uma redução de 8% na incidência de diabetes. Porquê? Bem, pode ser atribuível a efeitos individuais ou combinados dos muitos compostos bioactivos diferentes contidos em frutas e vegetais, logo, consumindo uma ampla variedade irá aumentar a probabilidade de se consumir mais de entre eles. Todos os vegetais podem oferecer proteção contra doenças crónicas, mas cada grupo de vegetais contém uma combinação única destes fitonutrientes, distinguindo-os de outros grupos. Por cada vegetal conter uma combinação única, uma maior diversidade de vegetais deve ser consumida para se obter todos os benefícios para a saúde. Será que importa, contudo, se obtemos alfa-caroteno ou beta-caroteno? Um antioxidante não é apenas mais um antioxidante? Não, tem sido demonstrado que os fitoquímicos se ligam a receptores e proteínas específicas nos nossos corpos. Por exemplo, parece haver um receptor de chá verde no nosso corpo, um receptor para EGCG, um componente chave do chá verde. Existem proteínas de ligação para os fitonutrientes em uvas, cebolas e alcaparras. Já falei sobre o receptor de brócolis. Recentemente, um receptor da superfície celular foi identificado para um nutriente concentrado em cascas de maçã. E mais importante, estas proteínas alvo são consideradas indispensáveis para que estes alimentos vegetais façam o que eles fazem, mas eles só podem fazê-lo se realmente os comermos. Assim como é melhor comer uma laranja inteira do que apenas tomar um comprimido de vitamina C, porque caso contrário perderíamos todas as outras coisas maravilhosas nas laranjas que não estão no comprimido, também ao comer uma fruta diferente, como uma maçã, não vamos perder todas as coisas maravilhosas em maçãs que não estão na laranja. Quando se trata do perfil único de fitonutrientes de cada fruta e vegetal, é como comparar maçãs com laranjas. Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa em nutrição. Publicações em Português em Nutricao-em-Fatos.org
Recolher Transcrição

Imagem graças a Stocknap.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *