Porque as Dietas Baseadas em Plantas Ajudam na Artrite Reumatoide?

A artrite reumatoide pode ser desencadeada por fogo amigo autoimune contra uma bactéria de infecções do trato urinário chamada Proteus mirabilis, a qual poderia explicar porque as vítimas quando randomizadas numa dieta baseada em plantas experienciam um benefício extraordinário.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Tenho que admitir que nunca sequer ouvi falar da Proteus mirabilis. É por isso que adoro fazer pesquisa; aprendo tanto quanto você.

Explorei outra teoria não convencional quanto ao porquê das dietas baseadas em plantas serem tão bem sucedidas no tratamento de artrite inflamatória em Potássio e Doença Auto-imune.

Há uma outra bactéria com origem na alimentação e implicada em doença humana, a EXPEC em frango, levando a infeções do trato urinário — outro que é determinante: Evitando Frango para se Evitar Infecções da Bexiga.

Isto lembra-me da história do Neu5Gc (A Molécula Inflamatória da Carne Neu5Gc), aquela doença misteriosa do cérebro dos porcos (Comendo Fora do Nosso Reino) e aquela coisa maluca da alergia das carnes após a mordida da carraça (Alpha Gal e a Carraça da Estrela Solitária).

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do vídeo original e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas

J Kjeldsen-Kragh. Rheumatoid arthritis treated with vegetarian diets. Am J Clin Nutr. 1999 Sep;70(3 Suppl):594S-600S.

R Peltonen, WH Ling, O Hänninen, E Eerola. An uncooked vegan diet shifts the profile of human fecal microflora: computerized analysis of direct stool sample gas-liquid chromatography profiles of bacterial cellular fatty acids. Appl Environ Microbiol. 1992 Nov;58(11):3660-6.

J Kjeldsen-Kragh, T Rashid, A Dybwad, M Sioud, M Haugen, O Førre, A Ebringer. Decrease in anti-Proteus mirabilis but not anti-Escherichia coli antibody levels in rheumatoid arthritis patients treated with fasting and a one year vegetarian diet. Ann Rheum Dis. 1995 Mar;54(3):221-4.

A Ebringer, T Rashid. Rheumatoid arthritis is caused by a Proteus urinary tract infection. APMIS. 2014 May;122(5):363-8.

A Ebringer, T Rashid. Rheumatoid arthritis is caused by Proteus: the molecular mimicry theory and Karl Popper. Front Biosci (Elite Ed). 2009 Jun 1;1:577-86.

MT Nenonen, TA Helve, AL Rauma, OO Hänninen. Uncooked, lactobacilli-rich, vegan food and rheumatoid arthritis. Br J Rheumatol. 1998 Mar;37(3):274-81.

R Peltonen, M Nenonen, T Helve, O Hänninen, P Toivanen, E Eerola. Faecal microbial flora and disease activity in rheumatoid arthritis during a vegan diet. Br J Rheumatol. 1997 Jan;36(1):64-8.

R Peltonen, J Kjeldsen-Kragh, M Haugen, J Tuominen, P Toivanen, O Førre, E Eerola. Changes of faecal flora in rheumatoid arthritis during fasting and one-year vegetarian diet. Br J Rheumatol. 1994 Jul;33(7):638-43.

C Wilson, H Tiwana, A Ebringer. Molecular mimicry between HLA-DR alleles associated with rheumatoid arthritis and Proteus mirabilis as the Aetiological basis for autoimmunity. Microbes Infect. 2000 Oct;2(12):1489-96.

A Ebringer, T Rashid. Rheumatoid arthritis is an autoimmune disease triggered by Proteus urinary tract infection. Clin Dev Immunol. 2006 Mar;13(1):41-8.

A Ebringer, T Rashid. Rheumatoid arthritis is linked to Proteus–the evidence. Clin Rheumatol. 2007 Jul;26(7):1036-43.

H Adlercreutz, T Fotsis, C Bannwart, K Wähälä, T Mäkelä, G Brunow, T Hase. Determination of urinary lignans and phytoestrogen metabolites, potential antiestrogens and anticarcinogens, in urine of women on various habitual diets. J Steroid Biochem. 1986 Nov;25(5B):791-7.

BW Senior, GA Anderson, KD Morley, MA Kerr. Evidence that patients with rheumatoid arthritis have asymptomatic ‘non-significant’ Proteus mirabilis bacteriuria more frequently than healthy controls. J Infect. 1999 Mar;38(2):99-106.

L Guilherme, J Kalil. Rheumatic fever: from sore throat to autoimmune heart lesions. Int Arch Allergy Immunol. 2004 May;134(1):56-64.

L Guilherme, J Kalil, M Cunningham. Molecular mimicry in the autoimmune pathogenesis of rheumatic heart disease. Autoimmunity. 2006 Feb;39(1):31-9.

G Furneri, LG Mantovani, A Belisari, M Mosca, M Cristiani, S Bellelli, PA Cortesi, G Turchetti. Systematic literature review on economic implications and pharmacoeconomic issues of rheumatoid arthritis. Clin Exp Rheumatol. 2012 Jul-Aug;30(4 Suppl 73):S72-84

M Saleem, HJ Kim, MS Ali, YS Lee. An update on bioactive plant lignans. Nat Prod Rep. 2005 Dec;22(6):696-716.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

Porque as Dietas Baseadas em Plantas Ajudam na Artrite Reumatoide?

A artrite reumatoide é uma doença crónica sistémica auto-imune que afeta milhões, caracterizada por dor persistente e rigidez, e destruição progressiva das articulações – particularmente nas mãos e pés, levando a deformidades incapacitantes. O que podemos fazer para preveni-la e tratá-la? Num famoso ensaio randomizado e controlado de 13 meses de dietas à base de plantas para a artrite reumatoide, os pacientes foram colocados numa dieta vegana durante três meses e meio e depois mudaram para uma dieta lactovegetariana sem ovo no tempo restante do estudo. Comparado com o grupo controlo, que não mudou a sua dieta de todo, o grupo à base de plantas apresentou uma melhora significativa na rigidez matinal durante o primeiro mês, reduzindo o número de horas em que eles sofreram de rigidez articular pela metade. A dor diminuiu de cinco em dez para menos de três em cada dez. Uma queda na incapacidade. Eles relataram subjetivamente como sentindo-se melhor, melhorias significativas na força de preensão das suas mãos, menos articulações dolorosas, menos sensibilidade por articulação, menos inchaço, com o benefício adicional de perderem cerca de 6 kilos e mantendo a maior parte desse peso ao longo do ano. Também tiveram uma queda nos marcadores inflamatórios no sangue, taxa de sedimentação, proteína C-reativa, contagem de glóbulos brancos. A questão é por quê. O que é que a dieta tem a ver com doença articular inflamatória? Bem, a artrite reumatoide é uma doença auto-imune, na qual o corpo ataca o revestimento das suas próprias articulações. Por que faria ele isso? Bem, existe uma doença auto-imune diferente chamada febre reumática, na qual o corpo ataca o seu próprio coração. Mais uma vez, porque faria ele isso? Parece ser uma questão de fogo amigo. A febre reumática é causada por faringite estreptocócica, a qual é causada por uma bactéria que possui uma proteína que se parece mesmo muito com uma proteína no nosso coração. Então, quando o sistema imunológico ataca as bactérias estreptococos, também ataca as nossas válvulas cardíacas, desencadeando um ataque auto-imune por “mimetismo molecular”. A proteína nas bactérias estreptococos está a imitar uma proteína no nosso coração, logo, o nosso corpo fica confuso e ataca ambos. É por isso que é fundamental tratar infeções na garganta cedo para prevenir que o nosso coração seja apanhado no fogo cruzado. Então, os pesquisadores pensaram que talvez a artrite reumatoide possa ser desencadeada por uma infeção também. Uma pista para onde começar a procurar foi o facto de que as mulheres parecem ficar com artrite reumatoide três vezes mais frequentemente do que os homens. Que tipo de infeção as mulheres apanham mais do que os homens? Infeções do trato urinário [ITU]. Assim, os pesquisadores começaram a testar a urina de doentes com artrite reumatoide e, vejam só, encontraram esta bactéria chamada Proteus mirabilis. Não o suficiente para causar sintomas de uma ITU, mas o suficiente para desencadear uma resposta imunitária. E, de facto há uma molécula nas bactérias que se parece mesmo muito com uma das nossas próprias moléculas nas nossas articulações, e então, os anticorpos anti-Proteus contra as bactérias podem, inadvertidamente, danificar os nossos próprios tecidos articulares, levando eventualmente à destruição das articulações. E assim, as intervenções terapêuticas direcionadas à remoção desta bactéria dos corpos dos pacientes, com a consequente redução de anticorpos contra o organismo deveria conduzir a uma diminuição da inflamação. Bem, como vimos antes, as infeções do trato urinário são originárias na flora fecal. Os bichos rastejam do reto para a bexiga. E então, como se poderia alterar as bactérias no nosso cólon? Ao alterarmos a nossa dieta. Alguns dos primeiros estudos, há mais de 20 anos, na tentativa de mudar fundamentalmente a flora intestinal das pessoas, foram feitas usando dietas veganas cruas, vendo-a como a mudança mais fundamental, desde o padrão de dieta ocidental, a que se pudesse chegar. E de facto, em alguns dias, podia-se mudar significativamente a flora intestinal de alguém. E você coloca quem sofre de artrite reumatoide nesse tipo de dieta, e eles experimentam alívio. E as maiores melhorias estavam ligadas a maiores mudanças nas suas flora intestinais. Mas a dieta foi considerada tão intolerável que metade dos pacientes não conseguiram e desistiram, talvez porque estavam a tentar alimentar as pessoas coisas como costeletas de trigo e beterraba ‘amanteigadas’ com uma cobertura feita de amêndoas e sumo de coco fermentado. Perdão, não de coco, o que poderia ter sido bom, mas sumo de pepino. Felizmente, as dietas vegetarianas e veganas regulares também funcionam, alterando a flora intestinal e melhorando a artrite reumatoide. Mas ainda não tivemos especificamente confirmação de que as dietas à base de plantas diminuíssem os anticorpos anti-Proteus… …até agora. Aqueles que responderam bem à dieta baseada em plantas mostraram uma queda significativa nos anticorpos anti-Proteus mirabilis em comparação com o grupo de controlo. Talvez tenha simplesmente reduzido respostas imunes em geral? Não, os níveis de anticorpos contra outras bactérias permaneceu o mesmo. Assim, o pressuposto é que a dieta vegana reduziu os níveis urinários ou intestinais da bactéria. Uma mudança de uma dieta onívora para uma dieta vegetariana tem uma influência profunda na composição da nossa urina, por exemplo, níveis mais elevados de lignanas na urina daqueles que comem vegetariano. Até agora, pensava-se apenas que elas protegiam as pessoas que comiam mais à base de plantas de contraírem cancro. Mas agora sabemos que as lignanas também podem ter propriedades antimicrobianas, então talvez seja ao ajudarem a limpar Proteus do nosso sistema. De qualquer modo, isto sugere um novo tipo de terapia para o tratamento da artrite reumatoide Este novo tratamento inclui medidas anti-Proteus tais como manipulações dietéticas na forma de dietas vegetarianas. Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa em nutrição. Todas as publicações / contribuir nas traduções em NF.FOCOEMPATICO.NET

Clique aqui para baixar a transcrição

Recolher Transcrição

Imagem graças a Pacific Northwest National Laboratory.

[quickshare]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *