Os Alimentos Biológicos São Mais Seguros?

O consumo de alimentos biológicos aparenta reduzir a exposição a resíduos de pesticidas e bactérias resistentes a antibióticos.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Esta é a segunda parte de uma série de 5 vídeos sobre alimentos biológicos versus convencionais. E quanto ao conteúdo nutritivo? Vejam o meu último: Os Alimentos Biológicos São Mais Nutritivos? (Legendado em Português)

Aqui está o que nos espera nesta série:

Para mais sobre as implicações de doenças infecciosas de biológicos versus convencionais, vejam Bactérias super-resistentes em Frango Convencional versus Biológico. Produtos agrícolas biológicos também poderão ser mais seguros. Vejam: Intoxicação Alimentar por Norovírus nos Pesticidas. Ovos biológicos também poderão ter um risco mais baixo de Salmonela, a qual é uma epidemia com origem no ovo que se repete todos os anos nos EUA. Vejam o meu vídeo Quem Diz que os Ovos Não São Saudáveis ou Seguros? (Legendado em Português).

Mais sobre Parkinson e pesticidas em Prevenção da Doença de Parkinson com Dieta.

Aqueles que ficaram surpreendidos com os dados sobre a California poderão ter perdido o meu vídeo Crianças da Califórnia Estão Contaminadas.

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do vídeo original e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas

L Oates, M Cohen, L Braun, A Schembri, R Taskova. Reduction in urinary organophosphate pesticide metabolites in adults after a week-long organic diet. Environ Res. 2014 Jul;132:105-11.

C Smith-Spangler, M L Brandeau, G E Hunter, J C Bavinger, M Pearson, P J Eschbach, V Sundaram, H Liu, P Schirmer, C Stave, I Olkin, D M Bravata. Are organic foods safer or healthier than conventional alternatives?: a systematic review. Ann Intern Med. 2012 Sep 4;157(5):348-66

V A Rauh, F P Perera, M K Horton, R M Whyatt, R Bansal, X Hao, J Liu, D B Barr, T A Slotkin, B S Peterson. Brain anomalies in children exposed prenatally to a common organophosphate pesticide. PNAS May 15, 2012 vol. 109 no. 20.

C Lu, D B Barr, M A Pearson, L A Waller. Dietary intake and its contribution to longitudinal organophosphorus pesticide exposure in urban/suburban children. Environ Health Perspect. 2008 Apr;116(4):537-42

S Mostafalou, M Abdollahi. Pesticides and human chronic diseases: evidences, mechanisms, and perspectives. Toxicol Appl Pharmacol. 2013 Apr 15;268(2):157-77.

M T Munoz-Quezada, B A Lucero, D B Barr, K Steenland, K Levy, P B Ryan, V Iglesias, S Alvarado, C Concha, E Rojas, C Vega. Neurodevelopmental effects in children associated with exposure to organophosphate pesticides: a systematic review. Neurotoxicology. 2013 Dec;39:158-68.

G Van Maele-Fabry, A C Lantin, P Hoet, D Lison. Residential exposure to pesticides and childhood leukaemia: a systematic review and meta-analysis. Environ Int. 2011 Jan;37(1):280-91.

D T Wigle, M C Turner, D Krewski. A systematic review and meta-analysis of childhood leukemia and parental occupational pesticide exposure. Environ Health Perspect. 2009 Oct;117(10):1505-13.

J Jurewicz, K Polanska, W Hanke. Chemical exposure early in life and the neurodevelopment of children–an overview of current epidemiological evidence. Ann Agric Environ Med. 2013;20(3):465-86.

M K Magnusson, A Arvola, U K Hursti, L Aberg, P O Sjoden. Choice of organic foods is related to perceived consequences for human health and to environmentally friendly behaviour. Appetite. 2003 Apr;40(2):109-17.

M F Bouchard, J Chevrier, K G Harley, K Kogut, M Vedar, N Calderon, C Trujillo, C Johnson, A Bradman, D B Barr, B Eskenazi. Prenatal exposure to organophosphate pesticides and IQ in 7-year-old children. Environ Health Perspect. 2011 Aug;119(8):1189-95.

M Huber, E Rembialkowska, D Srednicka, S Bugel, L P L van de Vijver. Organic food and impact on human health: Assessing the status quo and prospects of research. NJAS – Wageningen Journal of Life Sciences Volume 58, Issues 3–4, December 2011, Pages 103–109.

C Lu, K Toepel, R Irish, R A Fenske, D B Barr, R Bravo. Organic diets significantly lower children’s dietary exposure to organophosphorus pesticides. Environ Health Perspect. 2006 Feb;114(2):260-3.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

Serão os alimentos biológicos mais seguros?

Os princípios enunciados da agricultura biológica [orgânica] são “saúde, ecologia, justiça e cuidado,” mas se se perguntar às pessoas porque compram biológicos, o mais forte preditor foi preocupação pela sua própria saúde ou a da sua família. As pessoas poderão gastar mais com o biológico mais por motivos egoístas do que altruístas. Embora os alimentos orgânicos possam não ter mais nutrientes por dólar, o consumo de alimentos biológicos pode reduzir a exposição a resíduos de pesticidas e a bactérias resistentes aos antibióticos. Quanto à segurança alimentar, eles não encontraram nenhuma diferença no risco de contaminação com bactérias de intoxicação alimentar, em geral. Ambos os produtos animais biológicos e convencionais estavam geralmente contaminados com Salmonela e Campylobacter, por exemplo. A maioria das amostras de frango estavam contaminadas com um dos dois, com Campilobacter, e cerca de um terço com Salmonela. Mas o risco de exposição a bactérias resistentes a várias drogas, resistentes a várias classes de antibióticos, foi menor com a carne orgânica. Então, ambos podem ter o mesmo risco de tornar-nos doentes, mas a intoxicação alimentar com carne biológica poderá ser mais fácil de ser tratada pelos médicos. E quanto aos pesticidas? Há um grande corpo de evidências sobre a relação entre a exposição a pesticidas e uma elevada taxa de doenças crónicas, tais como diferentes tipos de cancro, diabetes, doenças neurodegenerativas como Parkinson, Alzheimer, e ELA [ALS], bem como defeitos de nascimento e desordens reprodutivas, mas eles estão a falar de pessoas que vivem ou trabalham à volta de pesticidas. Vejam Salinas Valley, Califórnia, por exemplo, onde eles espalham 200 mil quilos da coisa. Ousar ficar grávida numa comunidade agrícola como aquela pode prejudicar o desenvolvimento do cérebro infantil de tal forma que as mulheres grávidas com os níveis mais altos a correrem nos seus corpos como medido na urina, deram à luz crianças com um défice médio de cerca de 7 pontos de QI. 26 de 27 estudos mostraram efeitos negativos dos pesticidas no desenvolvimento cerebral em crianças. Estes incluíram problemas de atenção, desordens do desenvolvimento e dificuldades de memória de curto prazo. Se se comparar as crianças que nascem com níveis mais elevados de um inseticida comum no sangue do seu cordão umbilical, aqueles que foram expostos a níveis mais elevados nascem com anomalias cerebrais. E estas eram crianças da cidade, logo, presumivelmente, isto foi do uso residencial de pesticidas. Exposição residencial a pesticidas, como o uso de inseticidas dentro de sua casa, pode ser um fator contribuinte para cancros, como a leucemia infantil, sugerindo que se eleve a consciência entre as populações profissionalmente expostos a pesticidas sobre a sua potencial influência negativa na saúde dos seus filhos, embora eu não imagine como a maioria dos trabalhadores agrícolas possam ter muita escolha. As trabalhadoras agrícolas grávidas poderão estar a duplicar as chances da sua criança ter leucemia e a aumentar o risco deles de terem um tumor cerebral. Assim, produtos convencionais podem ser maus para as mulheres grávidas que os escolhem, mas e quanto à nossa própria família quando os comemos? Bem, primeiro que tudo, só porque pulverizamos pesticidas em alimentos nos campos não significa que acaba nos nossos corpos quando o comemos, ou pelo menos não o sabíamos até que este estudo foi publicado em 2006. Os pesquisadores mediram os níveis de dois pesticidas que corriam nos corpos das crianças através da medição de produtos específicos de degradação de pesticidas na sua urina. Aqui está o nível de pesticidas que fluíam nos corpos de crianças de 3 a 11 anos de idade, alguns dias numa dieta convencional. Em seguida, eles entraram numa dieta orgânica durante 5 dias e depois voltaram para a dieta convencional. Está claro que comer biológicos oferece um dramático e imediato efeito protetor contra exposições a pesticidas comummente utilizados na produção agrícola. O estudo foi posteriormente prolongado. Consegue adivinhar quando as crianças estavam a comer orgânico? Você nem precisa das legendas no gráfico para saber. E quanto aos adultos, contudo? Nós não sabíamos … até agora. 13 homens e mulheres consumiram uma dieta de pelo menos 80% alimentos biológicos ou convencionais durante 7 dias e, em seguida, trocaram. E sem surpresa, durante a semana principalmente biológica a exposição a pesticidas foi reduzida significativamente, e não apenas por um pouco, uma queda de cerca de 90% na exposição. Logo, pode concluir-se que o consumo de alimentos orgânicos oferece sim proteção contra os pesticidas, mas será que isso significa proteção contra a doença? Nós não sabemos – os estudos simplesmente não foram feitos. Contudo, entretanto, o consumo de alimentos biológicos oferece uma abordagem de precaução lógica. NutritionFacts.org: as últimas novidades na pesquisa em nutrição Tradução por FocoEmpatico.net

Clique aqui para baixar a transcrição

Recolher Transcrição

Imagens graças a Rob Franksdad via Flickr.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *