Resposta da Indústria do Ovo a Colina e TMAO

Como a indústria do ovo financiou um estudo desenhado para encobrir a reação tóxica de óxido de trimetilamina ao consumo de ovo.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Infelizmente, isto parece estar em linha com o percurso da indústria do ovo. Para mais das suas iniciativas manhosas, vejam:

Para mais contexto quanto à história do TMAO, vejam Carnitina, Colina, Cancro, e Colesterol: A Conexão TMAO.

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do original Egg Industry Response to Choline & TMAO e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas

McCarty MF. L-carnitine consumption, its metabolism by intestinal microbiota, and cardiovascular health. Mayo Clin Proc. 2013 Aug;88(8):786-9.

Rak K, Rader DJ. Cardiovascular disease: the diet-microbe morbid union. Nature. 2011 Apr 7;472(7341):40-1.

Mente A, Chalcraft K, Ak H, Davis AD, Lonn E, Miller R, Potter MA, Yusuf S, Anand SS, McQueen MJ. The Relationship Between Trimethylamine-N-Oxide and Prevalent Cardiovascular Disease in a Multiethnic Population Living in Canada. Can J Cardiol. 2015 Sep;31(9):1189-94.

Elliott P, Posma JM, Chan Q, Garcia-Perez I, Wijeyesekera A, Bictash M, Ebbels TM, Ueshima H, Zhao L, van Horn L, Daviglus M, Stamler J, Holmes E, Nicholson JK. Urinary metabolic signatures of human adiposity. Sci Transl Med. 2015 Apr 29;7(285):285ra62.

Wang Z, Tang WH, Buffa JA, Fu X, Britt EB, Koeth RA, Levison BS, Fan Y, Wu Y, Hazen SL. Prognostic value of choline and betaine depends on intestinal microbiota-generated metabolite trimethylamine-N-oxide. Eur Heart J. 2014 Apr;35(14):904-10.

Scalbert A, Brennan L, Manach C, Andres-Lacueva C, Dragsted LO, Draper J, Rappaport SM, van der Hooft JJ, Wishart DS. The food metabolome: a window over dietary exposure. Am J Clin Nutr. 2014 Jun;99(6):1286-308.

Wang Z, Klipfell E, Bennett BJ, Koeth R, Levison BS, Dugar B, Feldstein AE, Britt EB, Fu X, Chung YM, Wu Y, Schauer P, Smith JD, Allayee H, Tang WH, DiDonato JA, Lusis AJ, Hazen SL. Gut flora metabolism of phosphatidylcholine promotes cardiovascular disease. Nature. 2011 Apr 7;472(7341):57-63.

Tang WH, Wang Z, Levison BS, Koeth RA, Britt EB, Fu X, Wu Y, Hazen SL. Intestinal microbial metabolism of phosphatidylcholine and cardiovascular risk. N Engl J Med. 2013 Apr 25;368(17):1575-84.

West AA, Shih Y, Wang W, Oda K, Jaceldo-Siegl K, Sabaté J, Haddad E, Rajaram S, Caudill MA, Burns-Whitmore B. Egg n-3 fatty acid composition modulates biomarkers of choline metabolism in free-living lacto-ovo-vegetarian women of reproductive age. J Acad Nutr Diet. 2014 Oct;114(10):1594-600.

Shah NJ, Sureshkumar S, Shewade DG. Metabolomics: A Tool Ahead for Understanding Molecular Mechanisms of Drugs and Diseases. Indian J Clin Biochem. 2015 Jul;30(3):247-54.

Pauling L, Robinson AB, Teranishi R, Cary P. Quantitative analysis of urine vapor and breath by gas-liquid partition chromatography. Proc Natl Acad Sci U S A. 1971 Oct;68(10):2374-6.

Shah SH, Kraus WE, Newgard CB. Metabolomic profiling for the identification of novel biomarkers and mechanisms related to common cardiovascular diseases: form and function. Circulation. 2012 Aug 28;126(9):1110-20.

Brindle JT, Antti H, Holmes E, Tranter G, Nicholson JK, Bethell HW, Clarke S, Schofield PM, McKilligin E, Mosedale DE, Grainger DJ. Rapid and noninvasive diagnosis of the presence and severity of coronary heart disease using 1H-NMR-based metabonomics. Nat Med. 2002 Dec;8(12):1439-44.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

Resposta da Indústria do Ovo a Colina e TMAO

Metabolómica é um termo usado para descrever a medição de vários metabolitos em amostras biológicas como fluidos corporais, com o objetivo de identificar assinaturas moleculares. Por exemplo, se se comparar o perfil metabólico de pessoas com doença cardíaca grave com aqueles com artérias limpas talvez possamos chegar a um método barato, simples e não invasivo para examinar as pessoas. Se os pacientes cardíacos tivessem algo no seu sangue que as pessoas saudáveis ​​não tivessem, poderíamos fazer os testes com base nisso. E talvez até nos ajudasse a compreender os mecanismos da doença.
Referir-se a metabolómica como um novo campo, no entanto, é injusto com os médicos antigos que usaram formigas para diagnosticar pessoas com diabetes, porque as formigas podiam detectar o açúcar na urina. A primeira incursão moderna descobriu centenas de substâncias numa única expiração, por exemplo, graças ao desenvolvimento da tecnologia da computação que tornou possível lidar com grandes quantidades de informação. E isso foi em 1971, numa época em que os computadores eram assim. Novas tecnologias têm permitido aos pesquisadores medirem centenas ou mesmo milhares de metabolitos de cada vez, o que é bom, já que mais de 25.000 compostos podem estar a entrar no nosso corpo apenas através da nossa dieta. Os dados têm esta aparência, a qual os computadores podem transformar em mapas que permitem aos pesquisadores tentarem fazer conexões.
Metabolómica é onde a história do TMAO começou. Toda a gente sabe que uma má alimentação pode levar a doenças cardíacas, mas quais componentes da dieta são os mais prejudiciais? Então, os pesquisadores da Cleveland Clinic examinaram o sangue de pacientes que tinham sofrido um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral e compararam os resultados com os do sangue de pessoas que não tinham tido. Usando todos os tipos de tecnologia sofisticada, identificaram um composto chamado TMAO, que significa óxido de trimetilamina. Quanto mais deste TMAO as pessoas tinham no seu sangue, maiores eram as chances de terem doença cardíaca, e pior era a sua doença cardíaca.
De onde é que o TMAO vem? O nosso fígado transforma TMA em TMAO. OK, de onde é que o TMA vem? Certas bactérias no nosso intestino transformam algo na nossa dieta chamado colina em TMA. Onde encontramos a maior concentração de colina? Ovos, leite e carnes, incluindo aves e peixe. Então, quando comemos estes alimentos, as nossas bactérias intestinais podem fazer TMA, que é absorvido para o nosso sistema e oxidado pelo nosso fígado em TMAO, o que pode, em seguida, aumentar o nosso risco de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e morte.
Mas lá porque num momento as pessoas com doença cardíaca tendem a ter níveis mais elevados de TMAO não significa que ter o TMAO elevado leve necessariamente a maus resultados. Teríamos mesmo que seguir as pessoas ao longo do tempo, e foi isso que eles fizeram em seguida. 4 mil pessoas, seguidas por 3 anos, e aqueles com os níveis mais altos de TMAO passaram a ter significativamente mais ataques cardíacos, acidente vascular cerebral ou morte.
Mas esperem um segundo. Se níveis elevados de TMAO vêm de se comer muita carne, laticínios e ovos, então, talvez a única razão porque as pessoas com níveis elevados de TMAO têm montes de ataques cardíacos seja por estarem a comer muita carne, laticínios e ovos. Talvez ter níveis elevados de TMAO seja apenas um marcador de uma alimentação rica em carne vermelha, ovos, leite e frango, que está a matar as pessoas ao elevar os níveis de colesterol ou algo assim, e não tenha nada a ver com TMAO. Por outro lado, a razão pela qual um nível de TMAO baixo parece tão protetor possa ser apenas por ser indicativo de uma dieta mais à base de plantas. Uma das razões porque pensamos que o TMAO é diretamente responsável é que os níveis de TMAO prevêm o risco de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e morte independentemente de outros fatores de risco cardiovasculares tradicionais, o que significa que quer você tenha colesterol alto ou colesterol baixo, pressão arterial alta ou pressão arterial baixa, ter níveis elevados de TMAO parece ser má notícia. Isto foi desde então replicado em outros estudos; até 9 vezes mais chances de doenças cardíacas em níveis sanguíneos elevados de TMAO mesmo após o controle para carne, peixe, e colesterol, que é um sinónimo para o consumo de ovos.
Mas e quanto ao resto desta sequência? Como podemos ter certeza de que nossas bactérias intestinais podem pegar a colina que comemos e transformá-la em trimetilamina, em primeiro lugar? Fácil. Eles só tem que administrar um simples desafio dietético de colina. Como se faz isso? Basta servir-lhes uns ovos. Faça-se as pessoas comerem dois ovos cozidos e obtém-se um aumento de TMAO no sangue, no espaço de uma hora após consumo. Ah, mas e se, em seguida, lhes dermos antibióticos para acabar com sua flora intestinal? Então podemos dar-lhes ovos e nada acontece. Na verdade, os seus níveis de TMAO chegam a zero, mostrando que as bactérias do intestino desempenham um papel crítico. Mas se você esperar um mês, der ao seu intestino algum tempo para se recuperar dos antibióticos, os níveis de TMAO voltam a subir.
Estas descobertas não deixaram a indústria dos ovos feliz. Imagine que você trabalha para o Conselho Americano do Ovo com a tarefa de projetar um estudo para mostrar nenhum efeito de se comer quase um ovo por dia. Como poderia manipulá-lo para que não mostrasse nenhuma diferença? Bem, se se olhar para o efeito de uma refeição de ovos, obtém-se um aumento nos níveis de TMAO, mas os seus rins são tão bons a se livrarem dessa coisa horrível, que depois de 4, 6, 8 horas está-se de volta à linha de base. Então tudo que você tem que fazer é certificar-se de que eles não tenham comido os ovos nas últimas 12 horas, e pode mostrar nenhum efeito e ter o seu estudo publicado no Jornal da Academia de Nutrição e Dietética, e receber o seu cheque.
Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa em nutrição. Publicações em Português em Nutricao-em-Fatos.orgRecolher Transcrição

Imagem graças a Magnus Manske via Wikimedia Commons e Thinex via Pixabay. As imagens foram alteradas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *