Fibromialgia vs Dieta Vegetariana & Vegana Crudívora

Dietas baseadas em plantas podem ser eficazes no tratamento da fibromialgia, uma condição dolorosa sofrida por milhões de pessoas.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Uma coisa que todos os sofredores de fibromialgia deviam considerar é um período experimental sem aspartame. (vejam Fibromialgia Induzida por Aspartame).

Porque é que as dietas baseadas em plantas ajudam nas condições de dor crónica? Poderá haver uma série de razões porque os vegetarianos têm apenas metade das probabilidades de estarem a medicação para alívio da dor (vejam Digam Não às Drogas Dizendo Sim a Mais Plantas). Compostos potencialmente inflamatórios em produtos de origem animal incluem Neu5Gc (A Molécula Inflamatória na Carne Neu5Gc), endotoxinas (A Teoria da Endotoxina Exógena), e proteínas animais (Dieta e Artrite Reumatoide).

Por outro lado, talvez o potássio nos alimentos vegetais faça modulação da função renal? Vejam o meu vídeo Potássio e Doença Auto-imune. Se for dos Antioxidantes Anti-inflamatórios, então isso podia certamente explicar porquê. Vejam Poder Antioxidante de Alimentos Vegetais Versus Alimentos de Origem Animal (Legendado em Português).

As dietas vegetariana e vegana crudívora parecem eficazes, mas e quanto a dietas apenas maioritariamente vegetarianas ou maioritariamente veganas? Esse é o tópico do meu próximo vídeo Fibromialgia vs. Dietas Maioritariamente Crudívoras & Maioritariamente Vegetarianas.

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do original Fibromyalgia vs. Vegetarian & Raw Vegan Diets e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas
Desenrole a Transcrição aqui

Fibromialgia versus Dietas Vegetariana & Vegana Crudívora

Milhões de pessoas sofrem de fibromialgia, uma condição caracterizada por meses de dor generalizada, bem como fadiga, distúrbios do sono, depressão, ansiedade, pensamento enevoado, dores de cabeça, dor lombar, e outras doenças. Tem um enorme impacto na qualidade de vida dos pacientes que podem experienciar uma redução da capacidade para realizarem as atividades de vida diária. A atividade quotidiana torna-se mais difícil, mais demorada, ou simplesmente impossível. A sua causa é desconhecida, e não existe nenhum tratamento eficaz para esta doença. O que podemos fazer por aqueles que sofrem? Bem, de acordo com a mais recente revisão sobre fibromialgia e nutrição, uma dieta vegetariana pode ter alguns efeitos benéficos, mas com base em que tipo de evidência? Bem, em 1991, foi enviado um questionário a algumas centenas de pessoas que sofriam de diversas condições de dor crónica, incluindo fibromialgia, perguntando se tiveram algum sucesso ao tentar diferentes dietas. Algumas pessoas tentaram uma dieta vegetariana. Algumas pessoas tentaram uma dieta vegana. Alguns relataram que várias dietas ajudaram com a dor, a rigidez e o inchaço. As dietas veganas foram relatadas com reduzindo os sintomas de doença de forma mais eficaz do que a dieta vegetariana, na artrite reumatóide. Mas o que precisávamos era de colocar estas dietas à prova em estudos formais. O primeiro foi em 1993. Dez pacientes com fibromialgia foram colocados numa dieta vegetariana durante três semanas. Os níveis medidos de oxidação e inflamação e colesterol desceram – sem surpresas. Mas o que é de interesse do ponto de vista clínico é o efeito positivo do tratamento sobre o estado da dor da maioria dos pacientes. Sete em cada dez sentiram-se melhor. Eles não tinham certeza de que seria a melhoria da condição dos pacientes com fibromialgia no decurso do tratamento com uma dieta vegetariana, se era devido à melhoria do seu status antioxidante ou se seria uma dieta livre de carne aquilo que parecia ajudar tanto. Uma dieta vegan foi pela primeira vez posta à prova em 2000, em Helsínquia. Consegue-se ver que o Inglês não é a língua materna dos pesquisadores, com frases como, “As plantas enfrentam uma pesada carga de luz.” O ponto que eles estão a fazer é bom, contudo. A luz UV gera radicais livres nos seus tecidos. O que tudo isto significa é que, vocês sabem, as plantas têm que estar bem preparadas para enfrentarem os desafios do estresse de radicais oxidantes e contêm uma ampla variedade de antioxidantes. É por isso que as plantas não ficam com queimaduras solares e com o seu ADN danificado quando estão lá fora ao sol o dia todo sem pôrem qualquer filtro solar. Então, o que aconteceria se houvessem pessoas a viverem exclusivamente de itens de origem vegetal? Por outras palavras, quais poderiam ser os efeitos de uma dieta estritamente vegana sobre os sintomas da fibromialgia? De facto, o estudo utilizou uma dieta vegana crua. Os pacientes com artrite reumatóide disseram que se sentiam melhor quando começaram a comer a dieta de alimentos vivos, e os sintomas pioraram quando retornaram à sua dieta omnívora anterior. Mas e quanto aos pacientes com fibromialgia? Ambos os grupos relataram ter muita dor em repouso no início do estudo. Mas houve uma diminuição significativa no grupo vegano cru, a qual desapareceu gradualmente após mudarem de volta para a dieta omnívora. Também encontraram outras alterações significativas, como a melhoria da qualidade do sono, redução da rigidez matinal, e melhoria nas medidas do estado de saúde geral. Então, por exemplo, aqui está a rigidez matinal. A barra clara representa aqueles prestes a começarem numa dieta vegana crua, e as barras escuras são o grupo de controle omnívoro. Eles começaram mais ou mesmo iguais, mas após cerca de um mês e meio aqueles que comiam vegan sentiram significativamente menos rigidez, o que continuou até ao final dos três meses do estudo. E quando voltaram a comer a sua dieta regular, a rigidez voltou. E quanto a dores em repouso? A mesma coisa. Então, melhorias significativas na fibromialgia – rigidez, dor, e estado de saúde em geral – com uma dieta à base de plantas. O estudo durou apenas três meses, mas pode-se concluir que comer vegan tem efeitos benéficos nos sintomas de fibromialgia, pelo menos a curto prazo.
Recolher Transcrição

Imagens graças a Daderot via Wikimedia Commons, e twicepix, ericarhiannon, talksrealfast via Flickr.

Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *