Sobrevivência do Mais Firme: Disfunção Erétil e Morte

Por as artérias do pénis terem cerca de metade do tamanho das artérias coronárias no coração, a disfunção erétil é um forte preditor de eventos cardíacos como a morte súbita.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Afortunadamente, O Nosso Assassino Número Um Pode ser Travado. Vejam o meu vídeo sobre Eliminando a Causa de Morte #1. Mais contexto pode ser encontrado em Acne Arterial e Bloqueando o Primeiro Passo da Doença Cardíaca.

Este é o primeiro vídeo de uma série de 3 partes sobre saúde sexual. Fiquem alerta para 50 Tons de Verde e Pistache para a Disfunção Erétil.

Vídeos anteriores no tema incluem:

Uma relação semelhante parece existir igualmente para a disfunção sexual feminina: Colesterol e Disfunção Sexual Feminina.

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do vídeo original e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas

S.-D. Chung, Y.-K. Chen, H.-C. Lin, H.-C. Lin. Increased risk of stroke among men with erectile dysfunction: A nationwide population-based study. J Sex Med 2011 8(1):240 – 246.

B. G. Schwartz, R. A. Kloner. How to save a life during a clinic visit for erectile dysfunction by modifying cardiovascular risk factors. Int. J. Impot. Res. 2009 21(6):327 – 335.

F. Yao, Y. Huang, Y. Zhang, Y. Dong, H. Ma, C. Deng, H. Lin, D. Liu, K. Lu. Subclinical endothelial dysfunction and low-grade inflammation play roles in the development of erectile dysfunction in young men with low risk of coronary heart disease. Int. J. Androl. 2012 35(5):653 – 659.

G. Corona, G. Fagioli, E. Mannucci, A. Romeo, M. Rossi, F. Lotti, A. Sforza, S. Morittu, V. Chiarini, G. Casella, G. Di Pasquale, E. Bandini, G. Forti, M. Maggi. Penile doppler ultrasound in patients with erectile dysfunction (ED): Role of peak systolic velocity measured in the flaccid state in predicting arteriogenic ED and silent coronary artery disease. J Sex Med 2008 5(11):2623 – 2634.

K.-K. Chew, N. Gibson, F. Sanfilippo, B. Stuckey, A. Bremner. Cardiovascular mortality in men with erectile dysfunction: Increased risk but not inevitable. J Sex Med 2011 8(6):1761 – 1771.

B. P. Gupta, M. H. Murad, M. M. Clifton, L. Prokop, A. Nehra, S. L. Kopecky. The effect of lifestyle modification and cardiovascular risk factor reduction on erectile dysfunction: A systematic review and meta-analysis. Arch. Intern. Med. 2011 171(20):1797 – 1803.

K. Esposito, M. Ciotola, F. Giugliano, M. De Sio, G. Giugliano, M. D’armiento, D. Giugliano. Mediterranean diet improves erectile function in subjects with the metabolic syndrome. Int. J. Impot. Res. 2006 18(4):405 – 410.

K. Esposito, F. Giugliano, M. I. Maiorino, D. Giugliano. Dietary factors, Mediterranean diet and erectile dysfunction. J Sex Med 2010 7(7):2338 – 2345.

F. Giugliano, M. I. Maiorino, C. Di Palo, R. Autorino, M. De Sio, D. Giugliano, K. Esposito. Adherence to Mediterranean diet and sexual function in women with type 2 diabetes. J Sex Med 2010 7(5):1883 – 1890.

D. R. Meldrum, J. C. Gambone, M. A. Morris, D. A. N. Meldrum, K. Esposito, L. J. Ignarro. The link between erectile and cardiovascular health: The canary in the coal mine. Am. J. Cardiol. 2011 108(4):599 – 606.

K. Esposito, M. Ciotola, F. Giugliano, B. Schisano, R. Autorino, S. Iuliano, M. T. Vietri, M. Cioffi, M. De Sio, D. Giugliano. Mediterranean diet improves sexual function in women with the metabolic syndrome. Int. J. Impot. Res. 2007 19(5):486 – 491.

K. Esposito, D. Giugliano. Lifestyle/dietary recommendations for erectile dysfunction and female sexual dysfunction. Urol. Clin. North Am. 2011 38(3):293 – 301.

E. Chiurlia, R. D’Amico, C. Ratti, A. R. Granata, R. Romagnoli, M. G. Modena. Subclinical coronary artery atherosclerosis in patients with erectile dysfunction. J. Am. Coll. Cardiol. 2005 46(8):1503 – 1506.

P. Montorsi, P. M. Ravagnani, S. Galli, F. Rotatori, A. Briganti, A. Salonia, P. Rigatti, F. Montorsi. The artery size hypothesis: A macrovascular link between erectile dysfunction and coronary artery disease. Am. J. Cardiol. 2005 96(12B):19M – 23M.

G. Jackson. Erectile dysfunction and coronary disease: Evaluating the link. Maturitas 2012 72(3):263 – 264.

M. M. Fung, R. Bettencourt, E. Barrett-Connor. Heart disease risk factors predict erectile dysfunction 25 years later: The Rancho Bernardo Study. J. Am. Coll. Cardiol. 2004 43(8):1405 – 1411.

J.-Y. Dong, Y.-H. Zhang, L.-Q. Qin. Erectile dysfunction and risk of cardiovascular disease: Meta-analysis of prospective cohort studies. J. Am. Coll. Cardiol. 2011 58(13):1378 – 1385.

K. Esposito, D. Giugliano. Lifestyle for erectile dysfunction: A good choice. Arch. Intern. Med. 2012 172(3):295 – 296.

G. Jackson. Problem solved: Erectile dysfunction (ED) = early death (ED). Int. J. Clin. Pract. 2010 64(7):831 – 832.

F. Montorsi, A. Briganti, A. Salonia, P. Rigatti, A. Margonato, A. Macchi, S. Galli, P. M. Ravagnani, P. Montorsi. Erectile dysfunction prevalence, time of onset and association with risk factors in 300 consecutive patients with acute chest pain and angiographically documented coronary artery disease. Eur. Urol. 2003 44(3):360 – 364.

P. Montorsi, F. Montorsi, C. C. Schulman. Is erectile dysfunction the tip of the iceberg of a systemic vascular disorder? Eur. Urol. 2003 44(3):352 – 354.

Inman BA1, Sauver JL, Jacobson DJ, McGree ME, Nehra A, Lieber MM, Roger VL, Jacobsen SJ. A population-based, longitudinal study of erectile dysfunction and future coronary artery disease. Mayo Clin Proc. 2009 84(2):108-13.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

Sobrevivência do Mais Firme: Disfunção Erétil e Morte

Disfunção Erétil é definida como a incapacidade recorrente ou persistente para atingir e/ou manter uma ereção de modo a um desempenho sexual satisfatório. Está presente em 30 milhões de homens nos EUA e cerca de 100 milhões de homens em todo o mundo. Esperem um segundo! Os EUA têm menos de 8% da população do mundo, e contudo, têm 30% da impotência? Somos os primeiros! …. Que é que isso importa? Temos comprimidos vermelhos, brancos, e azuis como o Viagra. O problema, porém, é que os comprimidos apenas encobrem os sintomas de doença vascular, e não fazem nada pela patologia subjacente. Disfunção Erétil e nosso assassino # 1, a Doença Arterial Coronária, são apenas duas manifestações da mesma doença: artérias inflamadas, entupidas, e avariadas, independentemente de qual seja o órgão. A aterosclerose é considerada uma doença sistémica que afeta de maneira uniforme todos os principais vasos sanguíneos do corpo. O endurecimento das artérias pode levar ao amolecimento do pénis porque as artérias enrijecidas não conseguem relaxar normalmente, abrir bem, e deixar o sangue fluir. Assim, a disfunção erétil pode ser apenas a… ponta flácida de um iceberg em termos de uma doença sistémica. Em 2/3 dos homens que aparecem nas urgências pela primeira vez com uma dor no peito arrasadora, o seu pénis andava a tentar avisá-los há anos de que algo estava errado com a sua circulação. Por que é que tende a atingir o pénis primeiro? Porque as artérias penianas no pénis têm metade do tamanho das artérias coronárias no nosso coração, essas artérias em particular, as chamadas “widow-maker” [fazedora de viúvas]. Assim, a mesma quantidade de placa no coração, que você nem iria mesmo sentir, poderia obstruir metade da artéria peniana causando uma restrição sintomática do fluxo sanguíneo. Poderá não se sentir dor no peito até aproximadamente aqui. É por isso que a disfunção erétil tem sido chamada de “angina do pénis”. De facto, medindo o fluxo sanguíneo no pénis de um homem pode-se prever os resultados do seu teste de estresse cardíaco com uma precisão de 80%. A função sexual masculina é como um teste de estresse do pénis, uma “janela” para os corações do homem. 40% dos homens acima dos 40 têm disfunção erétil. 40% acima dos 40 anos. Homens que têm dificuldades de ereção nos seus quarentas, têm 50 vezes maior risco de terem um evento cardíaco como morte súbita. Vocês ouviram-me dizer que várias coisas aumentam o risco de doença cardíaca em 20%, 30%… Isto são quase 5000%, levando a mais recente revisão a perguntar “Haverá maior risco que este?” Isso é por não ser tanto um fator de risco para a aterosclerose, isso É a aterosclerose. Um homem com disfunção erétil (mesmo que não tenha sintomas cardíacos) devia ser considerado um paciente cardíaco até prova em contrário. É considerado um equivalente cardíaco; é um marcador da doença arterial coronária que você provavelmente já tem. Há, portanto, mais quanto ao tratamento de disfunção erétil do que apenas meter um pénis ereto; oferece uma oportunidade para a redução do risco cardiovascular. A razão pela qual até os homens jovens se deviam preocupar com seu colesterol é porque prevê a disfunção erétil mais tarde na vida, e isso prevê ataques cardíacos, AVC e uma vida útil mais curta. Vai continuar a comer porcaria apenas porque pode enfiar uns comprimidos? Todo o Viagra no mundo poderá não ajudar a sua vida sexual após um acidente vascular cerebral. A mensagem a levar para casa é uma equação simples: MP = Morte Prematura! Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa em nutrição. Publicações e traduções voluntárias em Português em NF.FOCOEMPATICO.NET

Clique aqui para baixar a transcrição

Recolher Transcrição

[quickshare]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *