Dietas à Base de Plantas para Diabetes

Quando colocadas lado a lado contra a dieta da American Diabetes Association, como é que as dietas à base de plantas se saíram em termos de não apenas açúcar no sangue, peso corporal, e controlo de colesterol, mas também humor e qualidade de vida?

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Os três vídeos sobre diabetes que mencionei são:

Para aqueles que procuram um entendimento profundo daquilo que realmente é a Diabetes e o que a causa, vejam esta série de vídeos:

Dando graças, não apenas a diabetes pode ser revertida como também algumas das suas implicações. Vejam A Retinopatia Diabética Pode Ser Revertida?, e para a neuropatia diabética, a minha apresentação ao vivo anual Entre a Mesa e a (In)capacidade: Combatendo Doenças Incapacitantes com Alimentação.

Claro que prevenir é melhor:

Alguns alimentos poderão aumentar o risco:

E outros que poderão ajudar:

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários no link original e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas
Desenrole a Transcrição aqui

Dietas Baseadas em Plantas para Diabetes

Já falei sobre o papel que a carne pode desempenhar no aumento do risco de diabetes, e o potencial papel protetor de alimentos vegetais saudáveis. Mas as dietas à base de plantas não só aparentam proteger contra desenvolver diabetes em primeiro lugar, elas podem tratar a doença com sucesso, melhor do que as dietas em que os pacientes diabéticos são tipicamente colocados, controlando o peso e o colesterol. As dietas baseadas em alimentos vegetais integrais podem resultar em perda de peso significativa sem quaisquer limites no tamanho das porções ou na contagem de calorias, porque os alimentos vegetais tendem a ser tão diluídos caloricamente. Aqui estão 100 calorias de brócolis, tomates, morangos, comparem isso a 100 calorias de frango, queijo, ou peixe. As pessoas simplesmente parecem não conseguir comer o suficiente para compensarem o déficit de calorias e assim perdem peso ao comerem alimentos vegetais integrais. E o mais importante: funciona. Melhor. Uma dieta baseada em vegetais bateu a dieta convencional da American Diabetes Association num cabeça a cabeça em ensaio clínico randomizado controlado, sem se restringir porções, sem contagem de calorias ou carboidratos. Uma revisão de todos esses estudos descobriu que os indivíduos a seguirem dietas à base de plantas experienciam melhores reduções de açúcar no sangue, do peso corporal, e de risco cardiovascular, em comparação com aqueles que seguiam dietas que incluíam produtos de origem animal. E risco cardiovascular é o que mais mata diabéticos. Eles estão mais propensos a ter acidentes vasculares cerebrais, a insuficiência cardíaca. De facto, a diabetes tem sido proposta como um equivalente de risco de doença coronária, significando que pacientes diabéticos sem história de doença coronária têm um risco equivalente aos indivíduos não-diabéticos com doença cardíaca confirmada. Um estudo mais recente usou uma técnica para medir realmente a sensibilidade à insulina. Melhorada em ambas as dietas nos primeiros três meses, mas, em seguida, a dieta vegana passou à frente. E olhem para o seu colesterol LDL. Isso é o que vemos quando as pessoas são colocadas em dietas à base de plantas; o colesterol desce tanto que pode de facto reverter a progressão da aterosclerose, reverter a progressão de doenças do coração. Sabemos do efeito benéfico das dietas vegetarianas no controlo de peso, açúcares no sangue, colesterol, sensibilidade à insulina, e stress oxidativo em comparação com dietas convencionais para diabéticos, mas e quanto a qualidade de vida, humor? Como é que as pessoas se sentiram após fazerem uma mudança tão drástica nas suas dietas? Neste estudo randomizado controlado, os sujeitos do estudo foram atribuídos ou a um grupo de dieta à base de plantas ou um grupo de controle. Vegetais, cereais, feijão, frutas e nozes, com os produtos de origem animal limitados até um máximo de uma dose diária de iogurte de baixa gordura, e o grupo de controle seguiu a dieta oficial para diabetes. A qualidade de vida melhorou em ambas as dietas nos primeiros poucos meses, mas em seis meses, o grupo baseado em plantas claramente passou à frente. A mesma coisa com valores de depressão. Caiu em ambos os grupos nos três primeiros meses, mas começou a recuperar no grupo controle. Conclusão, a dieta mais baseada em vegetais levou a uma melhora maior na qualidade de vida e no humor. Os pacientes que consumiram uma dieta vegetariana também se sentiram menos constritos do que aqueles que consumiram a dieta convencional. As pessoas de facto sentiram que a dieta convencional para diabéticos foi mais restritiva do que a dieta baseada em vegetais. Desinibição diminuiu com uma dieta vegetariana, ou seja, aqueles que comiam vegetariano eram menos propensos a encher a pança. E o pessoal do grupo vegano tendia a sentir menos fome, o que contribui para a sustentabilidade a longo prazo, a qual é, claro, essencial para uma mudança de dieta. As dietas baseadas em vegetais não só parecem funcionar melhor como podem ser mais fáceis de manter. E com a melhora no humor, os pacientes podem apresentar melhorias desejadas não só na saúde fisica como na saúde mental também. Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa e nutrição. Publicações em Português / traduções voluntárias em NF.FOCOEMPATICO.NET
Recolher Transcrição

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *