Como Tratar Pedra nos Rins com Dieta

Reduzir o consumo de proteína animal e sódio parece mais efectivo no tratamento de pedras renais de oxalato de cálcio e ácido úrico (nefrolitíase) do que a restrição de oxalatos ou cálcio.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Este pode ser considerado um seguimento do meu vídeo Como Prevenir Pedras nos Rins com Dieta. Para mais sobre toda esta coisa do ácido-base, vejam Testando a Sua Dieta com Urina e Couve Roxa.

Alguém que queira tentar calcular a sua pontuação LAKE para o dia? Simplesmente multiplique o número de porções que comeu para cada um dos grupos alimentares no gráfico vezes a pontuação. Eu obtive -79 pela minha dieta de ontem — bate lá isso! :)

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários no link original e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas

J Y Chae, J W Kim, J W Kim, C Y Yoon, H S Park, D G Moon, M M Oh. Increased fluid intake and adequate dietary modification may be enough for the successful treatment of uric acid stone. Urolithiasis. 2013 Apr;41(2):179-82. doi: 10.1007/s00240-012-0530-y.

C R Tracy, S Best, A Bagrodia, J R Poindexter, B Adams-Huet, K Sakhaee, N Maalouf, C Y Pak, M S Pearle. Animal protein and the risk of kidney stones: a comparative metabolic study of animal protein sources. J Urol. 2014 Jul;192(1):137-41. doi: 10.1016/j.juro.2014.01.093.

M D Sorensen, R S Hsi, T Chi, N Shara, J Wactawski-Wende, A J Kahn, H Wang, L Hou, M L Stoller; Women’s Health Initiative Writing Group. Dietary intake of fiber, fruit and vegetables decreases the risk of incident kidney stones in women: a Women’s Health Initiative report. J Urol. 2014 Dec;192(6):1694-9. doi: 10.1016/j.juro.2014.05.086.

I P Heilberg, D S Goldfarb. Optimum nutrition for kidney stone disease. Adv Chronic Kidney Dis. 2013 Mar;20(2):165-74. doi: 10.1053/j.ackd.2012.12.001.

R Siener, A Hesse. The effect of a vegetarian and different omnivorous diets on urinary risk factors for uric acid stone formation. Eur J Nutr. 2003 Dec;42(6):332-7.

A Trinchieri. Development of a rapid food screener to assess the potential renal acid load of diet in renal stone formers (LAKE score). Arch Ital Urol Androl. 2012 Mar;84(1):36-8.

D A Bushinsky. Recurrent hypercalciuric nephrolithiasis–does diet help? N Engl J Med. 2002 Jan 10;346(2):124-5.

L Borghi, T Schianchi, T Meschi, A Guerra, F Allegri, U Maggiore, A Novarini. Comparison of two diets for the prevention of recurrent stones in idiopathic hypercalciuria. N Engl J Med. 2002 Jan 10;346(2):77-84.

T H Mehta, D S Goldfarb. Uric acid stones and hyperuricosuria. Adv Chronic Kidney Dis. 2012 Nov;19(6):413-8. doi: 10.1053/j.ackd.2012.07.014.

B Hess. Acid-base metabolism: implications for kidney stones formation. Urol Res. 2006 Apr;34(2):134-8. Epub 2006 Jan 13.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

Como Tratar Pedra nos Rins com Dieta

Estudos sugerem que o excesso de consumo de proteína animal representa um risco de formação de pedra nos rins, provavelmente devido à quantidade de ácido fornecido pelo elevado teor de aminoácidos que contêm enxofre na proteína animal, como explorei no meu vídeo sobre prevenção de pedra nos rins com dieta. Mas e quanto ao tratamento de pedras nos rins? A maioria dos cálculos são oxalato de cálcio, formado como açúcar-pedra (rebuçado) quando a urina se torna supersaturada, logo os médicos simplesmente assumiram que se eles são feitos de cálcio apenas temos de dizer às pessoas para reduzirem a sua ingestão de cálcio. E então, isso foi como que o evangelho da dieta para quem sofre de pedra nos rins até este estudo ter sido publicado no New England Journal of Medicine, colocando as duas dietas uma contra a outra: baixo cálcio versus baixa proteína animal e sal, e foi a restrição de proteína animal e de sal que proporcionou a maior proteção, cortando o risco de vir a ter outra pedra nos rins em cinco anos… pela metade. E quanto a redução de oxalatos, que estão concentrados em determinados vegetais? Um estudo recente constatou que não houve aumento de risco de formação de cálculos com um maior consumo de vegetais. Na realidade, um maior consumo de alimentos vegetais integrais, frutas e hortícolas, foram, cada um associado com um risco reduzido e independente de outros fatores de risco conhecidos para a pedra nos rins, o que significa benefícios adicionais aumentando em alimentos de origem vegetal para além de apenas restringir alimentos de origem animal. A razão pela qual uma redução na proteína animal ajuda não é apenas por reduzir a produção de ácidos no interior do corpo, uma redução de proteína animal deveria também limitar a excreção de urato, cristais de ácido úrico que podem actuar como uma semente para formar pedras de cálcio, ou podem criar pedras inteiras eles próprios. As pedras de ácido úrico são as segundas pedras nos rins mais comuns após as de cálcio. Há duas maneiras de se reduzir os níveis de ácido úrico na urina: uma redução na ingestão de proteína animal, ou… drogas. E a remoção de toda a carne pode remover 93% do risco de cristalização de ácido úrico. Aqui temos o risco de formação de cristais ao comer a dieta ocidental padrão durante cinco dias, e, em seguida, mudando-se para uma dieta vegetariana: leva a uma queda de 93% no risco… …dentro de dias. Para se minimizar a cristalização do ácido úrico, o objetivo é fazer com que o pH da urina fique, idealmente, tão elevado quanto 6.8, e para tal, uma variedade de produtos químicos alcalinizantes têm sido desenvolvidos, mas podemos alcalinizar naturalmente a nossa urina até os 6.8 recomendados utilizando meios puramente dietéticos, nomeadamente, através da remoção de toda a carne, o que leva alguém que come a dieta ocidental padrão desde uma acidez de 5.95 até ao alvo de 6.8, ao comer uma dieta vegetariana. Você pode, de forma barata, testar a sua própria dieta com um pouco de química de casa de banho, porque nem todos os alimentos de origem vegetal são alcalinizantes, e nem todos os alimentos de origem animal são igualmente acidificantes. A chamada pontuação LAKE foi desenvolvida: uma escala da carga de ácido para os rins, que tem em conta tanto a carga ácida dos alimentos com os seus tamanhos que porção típicos, e pode ser usada para ajudar as pessoas a modificarem a sua dieta para a prevenção tanto de pedras renais de ácido úrico e de cálcio como de outras doenças. Isto é o que eles encontraram. A comida com maior produção de ácido foi peixe, como o atum. E em seguida, porco, depois, aves de capoeira, a seguir, queijo, embora o leite e outros produtos lácteos apenas marquem aqui em baixo. Depois vem carne de vaca… Agora, os ovos são na realidade mais ácidos do que a carne, formam mais ácido, mas as pessoas tendem a comer menos ovos numa refeição, logo, eles aparecem aqui. Alguns cereais podem ser um pouco acidificantes, tais como pão, arroz, mas não massa, o que é interessante. Feijão é significativamente alcalinizante, mas não tanto quanto as frutas, e… os vegetais, são os alimentos mais alcalinizantes de todos. Através de mudanças na dieta por si só, podemos ser capazes de dissolver pedras de ácido úrico completamente. Curá-las. Agora vemo-las, agora… não vemos. Sem drogas, sem cirurgia. Apenas dizer-lhes para beberem mais água e modificarem a sua dieta, como pela restrição da ingestão de proteína animal, e a pedra nos rins tinha desaparecido. Resumindo, aqui estão os cinco tipos de pedras nos rins. E as coisas mais importantes que podemos fazer em termos de dieta é beber 10 a 12 copos de água por dia e reduzir a proteína animal, reduzir o sal, comer mais vegetais, e mais vegetariano. Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa em nutrição. Publicações em Português / traduções voluntárias em NF.FOCOEMPATICO.NET
Recolher Transcrição

Imagens graças a http://www.kidneystoners.org, I Believe I Can Fry via Flickr, Sommai Larkjit, OpenPics, PublicDomainPictures, Lebensmittelfotos, Bambo, via Pixabay, Snufkin7, Fir0002, Gajda-13, Mindmatrix via Wikimedia Commons, e Rob Marmion.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *