Como Mudar o Nosso Enterótipo

O que acontece ao microbiome da nossa flora intestinal quando estamos numa dieta baseada em plantas versus uma dieta baseada em produtos animais?

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Qual é o Enterótipo do teu Microbiome?

Também tenho uma série sobre a épica batalha da fermentação no intestino, entre proteína e carboidratos, a qual oferece muita perspectiva sobre porque é que importa aquilo que temos a viver ali em baixo:

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do original How to Change Your Enterotype e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas
Desenrole a Transcrição aqui

Como Mudar o seu Enterotipo

Se o enterotipo de flora intestinal que somos pode desempenhar um papel importante no nosso risco de desenvolvimento de doenças crónicas associadas à dieta, a próxima questão é: podemos alterar a nossa microbiome intestinal alterando a nossa dieta? E a resposta é: a dieta pode rapidamente e de forma reproduzível alterar as bactérias no nosso intestino. Tem havido crescente preocupação de que as inovações de estilo de vida recentes, mais notavelmente a dieta “ocidental” rica em gordura / rica em açúcar, alteraram a composição e atividade da nossa flora intestinal residente. Tais alterações induzidas pela dieta sobre as comunidades microbianas associadas ao intestino são agora suspeitas de contribuir para a epidemia crescente de doenças crónicas no mundo desenvolvido. Contudo, ficou por esclarecer quão rapidamente as nossas bactérias intestinais podiam responder às alterações dietéticas. Então eles prepararam duas dietas: uma “dieta baseada em plantas” rica em cereais, feijão, frutas e vegetais; e uma “dieta de origem animal”, que era composta de carnes, ovos, e queijos. Notem que também sem açúcares refinados; eles apenas queriam testar vegetal versus animal. E dentro de apenas um dia da dieta de origem animal ter chegado ao intestino, houve uma mudança significativa. Por exemplo, o vegetariano por toda a vida. O que acontece quando o colocamos numa dieta de origem animal? Bem, ele começou como Prevotella, tal como o vegano no estudo do vídeo anterior, mas, contrariamente a todos os outros, por estarem a comer mais no padrão de uma dieta americana notavelmente, a dieta de origem animal inverteu o racio de Prevotella / Bacteroides dos vegetarianos, fazendo com que as Bacteroides superassem as Prevotella em número em apenas quatro dias de uma dieta de origem animal. Toda a sua flora intestinal foi virada do avesso. O facto de que nosso intestino pode mudar tão rapidamente entre perfis funcionais herbívoros e carnívoros é provavelmente uma coisa boa evolucionariamente. Quero dizer, se se derrubar um mamute e comer carne por um par de dias antes de se voltar às plantas, queremos que o nosso intestino seja capaz de lidar com isso, e esta flexibilidade manifesta-se na diversidade das dietas humanas até hoje. Mas qual é o estado mais saudável para se estar na maior parte do tempo? Eles olharam para uma variedade de fatores diferentes. Primeiro, a quantidade de ácidos gordos de cadeia curta produzidos. Ácidos gordos de cadeia curta, como o acetato, o butirato, funcionam no suprimir da inflamação, suprimem o cancro, e a nossa flora intestinal em dietas à base de plantas produziu mais do que em dietas à base de produtos animais. Outros metabolitos microbianos, tais como os ácidos biliares secundários, promovem o desenvolvimento de cancro, e com um aumento significativo na actividade da enzima bacteriana que cria estes ácidos biliares secundários numa dieta de origem animal, não há surpresas: aumento significativo em substâncias cancerígenas, como DCA [ácido desoxicólico], um ácido biliar secundário conhecido por promover danos no ADN e cancro do fígado. A atividade da enzima microbiana que produz o gás de ovo podre, sulfeto de hidrogénio, também dispara numa dieta de origem animal, o que é uma bosta porque … fede, e porque danifica o ADN, e tem sido implicada no desenvolvimento de doenças inflamatórias do intestino, como a colite ulcerosa. O sulfeto de hidrogenio é feito por patógenos como Bilophila wadsworthia, os quais são aumentados na dieta baseada em produtos animais, novamente dentro de apenas dias, apoiando a conexão entre dieta e o crescimento de microorganismos capazes de desencadearem doença inflamatória do intestino. Enquanto que o único patógeno que se vê mais numa dieta baseada em plantas é apenas um vírus que infecta… o espinafre. Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa em nutrição. Publicações em Português / traduções voluntárias em NF.FOCOEMPATICO.NET
Recolher Transcrição

Imagens graças a Loesjex.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *