Colesterol Dietético Afeta os Níveis de Colesterol no Sangue

As Nozes Melhoram Realmente a Função Arterial?

No meu vídeo, Ovos versus Cigarros na Aterosclerose, perfilei um estudo que mostrava que tanto o fumar como o comer ovos podem prejudicar as nossas artérias. Mas até mesmo só as gemas de ovo foram associadas a entupimento das artérias, por acumulação de placa, cerca de dois terços tão mau quanto fumar.

Isto certamente que eriçou algumas penas.

Sim, os ovos são, de longe, a principal fonte de colesterol na dieta americana, mas algumas cartas ao editor protestaram que o colesterol dietético poderá ter muito pouco impacto nos níveis de colesterol no sangue, citando um estudo publicado em 1971 realizado em oito pessoas. Mas se olharmos para dezenas de estudos em conjunto, que abrangem centenas de sujeitos, descobrimos que a concentração de colesterol no sangue é “claramente aumentada pelo adicionar de colesterol dietético.” No meu vídeo, Desmascarando os Mitos da Indústria do Ovo (legendado em Português), há um exemplo extremo, apenas para ilustrar: um ano na vida de um sujeito em estudo, colocado em dieta com ovo e sem ovo. Primeiro, os pesquisadores tiram-lhe os ovos, colocando-o numa dieta sem colesterol, e o seu colesterol no sangue cai em apenas três semanas. Em seguida, dão-lhe montes de ovos, e o seu colesterol volta disparar para cima, permanece elevado até que retiram os ovos e colocam-no de volta na dieta sem colesterol, e por assim em diante. Os pesquisadores estavam essencialmente a ligar e desligar o seu colesterol elevado no sangue como sefosse um interruptor (feito de ovo).

Claro que a única razão pela qual nos preocupamos com os nossos níveis de colesterol ou com quanta placa está a acumular dentro das nossas artérias, é por querermos evitar as consequências, como um ataque cardíaco. Portanto, os ovos aumentam o nosso risco de doença cardiovascular? A mais recente meta-análise, a mais recente compilação de todos os melhores estudos sobre o consumo de ovos e risco de doença cardíaca incluídos desde 1930, constatou que, em geral, aqueles que comeram a maior quantidade de ovos tinham um risco de doença cardiovascular aumentado em 19%, um risco aumentado de diabetes em 68% e, uma vez que se tem diabetes, um risco ainda maior de doença cardíaca, aumentado em 85%. Não precisou de muito; menos de um único ovo por dia foi associado a um aumento significativo do risco de doença cardíaca. Pouco mais de metade de um ovo por dia pode aumentar o risco de doença cardíaca em 6% (40% em pacientes separados com diabetes), e o risco de diabetes em 29%. Os investigadores concluem que as suas descobertas suportam as diretrizes dietéticas da American Heart Association, que aconselham a restrição do consumo de ovos em adultos para prevenção das doenças cardiometabólicas, como a diabetes, a nossa sétima principal causa de morte, e a doença de coração, o nosso assassino número um.

Mais sobre a conexão a diabetes em Consumo de Ovos e Risco de Diabetes (legendado em português) e Bacon, Ovo, e Diabetes Gestacional Durante a Gravidez.

Mais sobre ovo e a indústria do ovo em geral:

Há mais na doença cardíaca do que apenas a acumulação de colesterol. No meu vídeo, Ovo e Função Arterial, exploro que efeito tem o consumo de ovo sobre a função endotelial, a capacidade das nossas artérias de relaxarem normalmente.

Com saúde,

– Dr. Michael Greger

PS: Se ainda não o fez, pode subscrever aos meus vídeos gratuitamente aqui e ver as minhas apresentações ao vivo de análise anual:

Crédito de imagem: Rebecca Siegel
[quickshare]

Atribuições

Colesterol Dietético Afeta os Níveis de Colesterol no Sangue

Traduzido do original “Dietary Cholesterol Affects Blood Cholesterol Levels”, escrito por Dr. Michael Greger a 18 de Agosto de 2015 no blog de nutrição médica do Dr. Greger em NutritionFacts.org

Recolher Atribuições

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *