Matando o Cancro de Fome com Restrição de Metionina

A restrição de metionina, melhor conseguida através de uma dieta baseada em plantas, pode provar ter um grande impacto em pacientes com cancro porque, ao contrário dos tecidos normais, muitos tumores humanos requerem o aminoácido metionina para crescerem.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Este vídeo pode ser considerado um companheiro para o Anti-Angiogénese: Cortando as Linhas de Abastecimento do Tumor, no qual esta mesma dieta podia matar de fome estes mesmos tumores cortando a sua linha de abastecimento sanguíneo.

Existem compostos em produtos animais que podem de facto estimular o crescimento tumoral. Vejam Como os Tumores Usam a Carne para Crescerem: Xeno-Autoanticorpos. A proteína animal também pode estimular os níveis da hormona promotora de cancro IGF-1 (A Solução para o Puzzle de Pritikin). Combinados, podiam explicar porque se descobriu que as plantas e as dietas à base de plantas são eficazes na potencial reversão de alguns processos do cancro. Vejam Reversão do Cancro pela Dieta?, Morangos versus Cancro do Esófago, e Framboesas Negras versus Cancro da Boca.

Lamento se vos distraí com as piadas do pet scan [pet=animal de estimação]; não consegui evitar! :) Outro modo pelo qual os animais de companhia podem proteger contra cancro é explorado aqui: Animais de Estimação & Linfoma Humano.

Porque é que a profissão médica pode ser tão resistente a terapias provadas como sendo eficazes? O Efeito Tomate poderá ter parte das culpas.

Se olhou de perto para a revisão do estudo que mencionei, notando que as dietas à base de plantas podem provar ser estratégias nutricionais úteis no controlo do crescimento de cancro, deve ter reparado que também olhou para o papel da restrição de metionina na extensão do tempo de vida. Esse é o tópico do próximo vídeo Restrição de Metionina como uma Estratégia de Extensão da Vida.

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do original Starving Cancer with Methionine Restriction e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas

V. Agrawal, S. E. J. Alpini, E. M. Stone, E. P. Frenkel, A. E. Frankel. Targeting methionine auxotrophy in cancer: discovery & exploration. Expert Opin Biol Ther 2012 12(1):53 – 61.

M. F. McCarty, J. Barroso-Aranda, F. Contreras. The low-methionine content of vegan diets may make methionine restriction feasible as a life extension strategy. Med. Hypotheses 2009 72(2):125 – 128.

M. C. Ruiz, V. Ayala, M. Portero-Otín, J. R. Requena, G. Barja, R. Pamplona. Protein methionine content and MDA-lysine adducts are inversely related to maximum life span in the heart of mammals. Mech. Ageing Dev. 2005 126(10):1106 – 1114.

M. López-Torres, G. Barja. Lowered methionine ingestion as responsible for the decrease in rodent mitochondrial oxidative stress in protein and dietary restriction possible implications for humans. Biochim. Biophys. Acta 2008 1780(11):1337 – 1347.

E. Cohen. Chitin synthesis and degradation as targets for pesticide action. Arch. Insect Biochem. Physiol. 1993 22(1 – 2):245 – 261.

P. Cavuoto, M. F. Fenech. A review of methionine dependency and the role of methionine restriction in cancer growth control and life-span extension. Cancer Treat. Rev. 2012 38(6):726 – 736.

E. Boedeker, G. Friedel, T. Walles. Sniffer dogs as part of a bimodal bionic research approach to develop a lung cancer screening. Interact Cardiovasc Thorac Surg 2012 14(5):511 – 515.

H. Sonoda, S. Kohnoe, T. Yamazato, Y. Satoh, G. Morizono, K. Shikata, M. Morita, A. Watanabe, M. Morita, Y. Kakeji, F. Inoue, Y. Maehara. Colorectal cancer screening with odour material by canine scent detection. Gut 2011 60(6):814 – 819.

K. Yamagishi, K. Onuma, Y. Chiba, S. Yagi, S. Aoki, T. Sato, Y. Sugawara, N. Hosoya, Y. Saeki, M. Takahashi, M. Fuji, T. Ohsaka, T. Okajima, K. Akita, T. Suzuki, P. Senawongse, A. Urushiyama, K. Kawai, H. Shoun, Y. Ishii, H. Ishikawa, S. Sugiyama, M. Nakajima, M. Tsuboi, T. Yamanaka. Generation of gaseous sulfur-containing compounds in tumour tissue and suppression of gas diffusion as an antitumour treatment. Gut 2012 61(4):554 – 561.

H. Y. Guo, H. Herrera, A. Groce, R. M. Hoffman. Expression of the biochemical defect of methionine dependence in fresh patient tumors in primary histoculture. Cancer Res. 1993 53(11):2479 – 2483.

D. E. Epner. Can dietary methionine restriction increase the effectiveness of chemotherapy in treatment of advanced cancer? J Am Coll Nutr 2001 20(Suppl 5):443S-449S; discussion 473S-475S.

E. Cellarier, X. Durando, M. P. Vasson, M. C. Farges, A. Demiden, J. C. Maurizis, J. C. Madelmont, P. Chollet. Methionine dependency and cancer treatment. Cancer Treat. Rev. 2003 29(6):489 – 499.

B. C. Halpern, B. R. Clark, D. N. Hardy, R. M. Halpern, R. A. Smith. The effect of replacement of methionine by homocystine on survival of malignant and normal adult mammalian cells in culture. Proc. Natl. Acad. Sci. USA 1974 71(4):1133 – 1136.

C. M. Willis, S. M. Church, C. M. Guest, W. A. Cook, N. McCarthy, A. J. Bransbury, M. R. T. Church, J. C. T. Church. Olfactory detection of human bladder cancer by dogs: Proof of principle study. BMJ 2004 329(7468):712.

D. Pickel, G. P. Manucy, D. B. Walker, S. B. Hall, J. C. Walker. Evidence for canine olfactory detection of melanoma. App Anim Behav Sci 2004 89(1):107-­116.

Recolher Fontes

Desenrole a Transcrição aqui

Matando o Cancro de Fome com Restrição de Metionina

Na concepção de um antibiótico, você não iria criar uma droga que destruísse o ADN, por exemplo, porque isso é algo que os seres humanos e as bactérias têm em comum. Mataria as bactérias, sim, mas poderia matar-nos a nós também. Então, muitos antibióticos funcionam ao atacarem a parede celular das bactérias, algo que as bactérias têm que nós não temos. Os antifúngicos podem atacar as paredes únicas das células do fungo. Os pesticidas podem funcionar ao atacarem o exoesqueleto especial dos insetos. Mas combater o cancro é mais difícil, porque as células cancerosas são as nossas próprias células. Assim, a luta contra o cancro resume-se a tentar encontrar e explorar as diferenças entre as células cancerosas e as células normais. Há quarenta anos atrás, foi publicado um artigo de referência que mostrava pela primeira vez que muitos cancros humanos têm o que é chamado de dependência absoluta à metionina, ou seja, pode-se cultivar células normais numa placa de petri sem lhes dar o aminoácido metionina; as células normais prosperam, mas sem metionina, as células cancerosas morrem. As células da mama normais, por exemplo, crescem sempre, com ou sem, mas aqui estão células de leucemia; elas precisam daquela metionina extra adicionada para crescerem ou simplesmente não crescem. O que é que o cancro faz com a metionina? Os tumores geram compostos gasosos que contêm enxofre com ela, os quais cães de diagnóstico especialmente treinados conseguem detetar. Existem cães farejadores de sinais que conseguem detetar cancro da pele. Existem cães farejadores do hálito que conseguem detetar quais pessoas têm cancro de pulmão. Cães farejadores de mijo que podem diagnosticar cancro de bexiga e, sim, você adivinhou … cães farejadores de peidos para o cancro colorretal. Os médicos agora podem trazer o seu labrador para o laboratório … Dá um significado completamente novo ao termo “pet scan”. Continuando, a dependência de metionina não está apenas presente em linhas celulares de cancro numa placa de petri, tumores frescos colhidos de pacientes mostram que muitos cancros parecem ter defeitos bioquímicos que os tornam dependentes de metionina, incluindo alguns tumores do cólon, da mama, ovário, próstata, e pele. As empresas de quimioterapia estão a lutar para serem as primeiras a lançarem uma droga de degradação de metionina, mas como a metionina é proveniente principalmente de alimentos uma estratégia melhor poderá ser baixar os níveis de metionina ao reduzir-se a ingestão de metionina, eliminando-se alimentos ricos em metionina, para um controlo do crescimento do cancro. O raciocínio é este, olhem: deixar de fumar, o consumo de dietas ricas em plantas, e outras medidas de estilo de vida podem prevenir a maioria dos tipos de cancro. Infelizmente, as pessoas não as fazem, e, como resultado, todos os anos centenas de milhares de americanos desenvolvem cancro metastático. A quimioterapia cura apenas alguns tipos de cancro metastático. Infelizmente, a grande maioria dos cancros metastáticos comuns, como da mama, da próstata, do cólon, e do pulmão, são letais. Por isso, precisamos desesperadamente de estratégias novas de tratamento de cancro metastático, e a restrição de metionina na dieta pode ser uma tal estratégia. Então, onde é que a metionina é encontrada? Particularmente, frango e peixe. Leite, carne vermelha e ovos têm menos, mas se você quiser realmente ficar-se pelos alimentos mais baixos em metionina, frutas, nozes, vegetais, cereais e feijões. Por outras palavras, a restrição de metionina pode ser alcançada usando uma dieta predominantemente vegana. Então, porque não estão todos os oncologista a fazer isso? “Apesar de muitos estudos pré-clínicos e clínicos promissores nos últimos anos,” “a restrição de metionina na dieta e outras abordagens dietéticas para o tratamento do cancro” “ainda não ganharam aplicação clínica generalizada.” “A maioria dos médicos e investigadores estão provavelmente não familiarizados” “com abordagens nutricionais para o cancro” … (ah … isso foi um eufemismo). “Muitos outros poderão considerar a restrição de aminoácidos como uma ‘ideia antiga’,” “uma vez que foi analisada durante várias décadas.” “Contudo, muitas boas ideias permanecem latentes durante décadas, se não séculos” “antes de se revelarem de valor na clínica.” “Com o desenvolvimento adequado, a restrição dietética de metionina,” “seja isoladamente ou em combinação com outros tratamentos,” “pode provar ter um grande impacto em pacientes com cancro.” Publicações em Português em nutricao-em-fatos.org
Recolher Transcrição

Imagens graças a www.usda.gov, Gajda-13, California Department of Fish and Game, Pingpongwill, Kacper “Kangel” Aniołek, NMajik, Veganbaking.net, Wilfredo R. Rodriguez H., Scarce, Ranko, The Noun Project via Wikimedia Commons e the queen of subtle via Flickr. Obrigado a Ellen Reid, Maxim Fetissenko, PhD, e Laurie-Marie Pisciotta pela sua ajuda na ideia central.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *