Cumplicidade da Associação Médica Americana com a Indústria do Tabaco

A atitude permissiva da medicina convencional em relação a fumar, face a evidência esmagadora, pode ser um objeto de aprendizagem quanto ao conluio contemporâneo da medicina com a indústria alimentar.

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Notas do Dr. Michael Greger

Se o balanço da evidência científica favorece comer-se à base de plantas, porque é que a profissão médica não está na vanguarda do encorajar as pessoas a comerem mais saudável? É essa a questão que este vídeo procura responder. Olhando para o tabagismo na década de 1950, pode-se ver como toda a sociedade, o governo, e a profissão médica ela própria, podiam estar a favor de hábitos que décadas de ciência já tinham condenado como prejudiciais.

Mais sobre a influência que a indústria pode ter na política de saúde:

Tem uma questão para o Dr. Greger sobre este vídeo? Deixe-a na secção de comentários do original American Medical Association Complicity with Big Tobacco e ele procurará responder-lhe!

Fontes citadas
Desenrole a Transcrição aqui

Cumplicidade da Associação Médica Americana (AMA) com a Indústria do Tabaco

Em 1912, quando quase ninguém fumava cigarros, o cancro de pulmão era como uma curiosidade de museu: extremamente raro, mas nas décadas seguintes aumentou drasticamente em todo o mundo, cerca de quinze vezes. Mas já se tinham apercebido em 1912. Em meados do século, as evidências que ligavam o cancro do pulmão ao tabaco foram consideradas esmagadoras. Quem disse? Disseram os cientistas da pesquisa da própria indústria do tabaco num memorando interno. Sabemos agora que cientistas e executivos seniores dentro da indústria dos cigarros, sabiam dos riscos de cancro de se fumar pelo menos tão cedo quanto a década de 1940. Mas publicamente, disseram coisas como “claro que há estatísticas a associar cancro do pulmão e cigarros. Há estatísticas a associar cancro de pulmão com todo o tipo de coisas, mas não há nenhuma prova.” O que é que o governo estava a dizer? Fume Luckies. Quer dizer, quem não gostaria de dar à sua garganta umas férias, nem um único caso de irritação da garganta. Como poderia a sua garganta e nariz serem adversamente afetados, quando os cigarros são tão puros como a água que você bebe? Talvez em Flint, Michigan. E se você se irrita, não há problema; o seu médico pode prescrever-lhe uma receita para cigarros. Este é um anúncio da revista científica da Associação Médica Americana. Afinal, “não fume” é um conselho difícil de engolir para os pacientes. Lembra-me da uma recente pesquisa a médicos que descobriu que a razão # 1 dos médicos não prescreverem dietas saudáveis ​​para o coração era a sua percepção de que os pacientes temem ser privados de todo o lixo que andam a comer. Afinal, Phillip Morris recordou-nos que, queremos manter os nossos pacientes felizes. Fazer-se uma mudança radical nos hábitos pode fazer mal. Você é um médico; não quer fazer mal os seus pacientes. Até os coelhos preferem Phillip Morris (Quando se atira soluções de fumo para os seus olhos). A indústria do tabaco deu às revistas médicas muito dinheiro para fazerem anúncios como estes. Não há problema, porém. As reivindicações da Phillip Morris vêm de fontes inteiramente confiáveis, com base em estudos realizados por autoridades reconhecidas publicados em importantes revistas médicas — até oferecendo-se gentilmente para enviar pacotes gratuitos de cigarros aos médicos para que possam testá-los eles próprios. Então, juntem-se a nós na próxima convenção da AMA. O que é que a Associação Médica Americana tem a dizer?? Como a maioria das outras revistas médicas, eles aceitaram anúncios de cigarros. Ainda temos que ver uma autópsia com uma única lesão que tenha uma etiqueta Marlboro nela. Nenhum tumor de pulmão foi ainda encontrado com uma pequena etiqueta afixada dizendo: “Made in… os campos de tabaco da Carolina do Norte.” Caso encerrado. Na verdade, mesmo após o relatório do Cirurgião General ter saído a Associação Médica Americana, a Sociedade Americana para o Cancro, e o Congresso ainda arrastavam os pés. O governo ainda andava a subsidiar o tabaco, tal como os nossos impostos subsidiam as indústrias do açúcar e da carne hoje. A AMA, na verdade, foi oficialmente recusar-se a apoiar o relatório do Cirurgião General. Poderia ter sido porque lhes tinham acabado de ser entregues 10 milhões de dólares pela indústria do tabaco? Hoje, o dinheiro é proveniente da grande indústria alimentar. A Academia Americana de Médicos de Família aceitou grandes somas de dinheiro da Coca-Cola para financiar a educação ao paciente quanto a prevenção da obesidade. Pergunto-me o que o panfleto irá dizer? Quem era o parceiro nº 1 listado no site da Coca Cola? O American College of Cardiology. [Colégio Americano de Cardiologia] Assim como teria sido perigoso para a sua saúde seguir o conselho da profissão médica quanto aos seus hábitos de fumar na década de 50, pode ser perigoso para a sua saúde hoje seguir o conselho da profissão médica quanto aos seus hábitos alimentares. Nutrição em Factos, a mais recente pesquisa em nutrição. Publicações em Português em Nutricao-em-Fatos.org
Recolher Transcrição

Imagem graças a tobaccofreekids.org January 6, 2014. “Adult Per Capita Cigarette Consumption.” e Stanford School of Medicine. Stanford Research into the Impact of Tobacco Advertising.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *