Arrancando as principais causas de morte pela raiz

A morte nos Estados Unidos é largamente uma doença com origem na alimentação. Focando-se em estudos publicados no ano passado em revistas médicas científicas revistas por pares, o Dr. Greger oferece aconselhamento prático quanto à melhor forma de nos alimentarmos e à nossa família, de modo a prevenir, tratar e até reverter muitas das nossas principais causas de morte nos Estados Unidos.

Desenrole a Transcrição aqui
“Desenraizando as Principais Causas de Morte” Em anos anteriores, tenho abordado as questões dietéticas mais importantes do nosso tempo, como: qual a variedade de maçã mais saudável? ou: qual a noz mais nutritiva, ou o fruto seco, ou: qual o melhor feijão? qual a melhor baga? Qual o melhor… …movimento peristáltico? [risos] Foi divertido. A pessoas puderam votar. Sabem, algum pessoal saiu amuado, especialmente os nova-iorquinos lá atrás. Mas este ano, pensei em dar-lhe mais alguma luz, e responder a qual a melhor maneira de prevenir a morte? [risos] Todos os anos o CDC actualiza as últimas causas de morte nos Estados Unidos, e então, vamos começar pelo topo e descemos na lista, vendo o que há de novo em cada categoria. Doença Cardíaca, #1. O Estudo de 35 anos de Seguimento da Saúde das Enfermeiras de Harvard, agora publicado, o estudo a longo prazo mais definitivo sobre a saúde de mulheres com mais idade de que dispomos. Desde o começo do estudo milhares de participantes morreram, mas isso permitiu-lhes estudar os factores de risco de mortalidade. Sendo a doença cardíaca a principal causa de morte, não é surpresa nenhuma que o colesterol consumido foi um fator significativo de risco para a morte. A segunda causa de morte foram os cancros relacionados com fumar. Mas o que há de tão interessante neste estudo é o facto de ser uma análise de risco competitiva, permitindo assim comparar diferentes riscos uns com os outros. Assim, consumir a quantidade de colesterol encontrada em apenas um ovo por dia parece cortar o tempo de vida de uma mulher tanto quanto fumar 5 cigarros por dia durante 15 anos. [Oooooh!] O comportamento mais protetor que encontraram foi o consumo de fibra. Comer o valor em fibra de apenas um copo de aveia por dia parece estender a vida da mulher tanto quanto 4 horas de jogging por semana. Apesar de que, podes fazer ambos… sim… E então, é merecedor notar-se que, vejam, o consumo de colesterol, apenas encontrado em produtos animais, estava associado a um tempo de vida mais curto. E o consumo de fibra, apenas encontrado em… …comidas vegetais, estava associado com um tempo de vida mais longo. Aquela comida que estava especificamente mais ligada à longevidade eram as nozes Também parece que se consegue o equivalente aos benefícios de 4 horas de jogging semanais comendo apenas duas mãos cheias de nozes por semana. Sim, a doença cardíaca é a causa #1 de morte, mas e se o teu colesterol estiver normal? Ouço isso a toda a hora, dos pacientes. Tenho que clarificar-lhes que: olha, um colesterol normal numa sociedade onde é normal cair-se morto de ataque cardíaco, não é necessariamente uma coisa boa. Lembrem-se, é o nosso assassino #1. Num estudo enorme do ano passado, a maioria dos pacientes com ataques cardíacos encontravam-se dentro dos valores recomendados de colesterol, demonstrando que as linhas orientadoras actuais não são baixas o suficiente para cortar no risco de ataque cardíaco. Perto de metade.. …das vítimas de ataque cardíaco tinham níveis de colesterol classificados nas directrizes como ótimos. apesar de eu não estar confiante que as suas esposas em luto e filhos órfãos tirem muito conforto desse facto. O que é considerado ótimo é ainda um valor muito alto. Sim, ter um colesterol abaixo da média reduz o teu risco, mas, tal como o editor chefe do Jornal Americano de Cardiologia escreveu há mais de uma década, é tempo de mudarmos de apenas diminuir o risco para de facto prevenir e reverter, detendo a aterosclerose. Nós não queremos um risco baixo; queremos nenhum risco. Como é que fazemos isso? Bem, para que cesse o acumular de placa nas nossas artérias, parece que temos que baixar o nosso colesterol total para cerca de 150. Por outras palavras, o colesterol tem que ser reduzido para a média do vegetariano puro. Mas agora, dado que relativamente poucas pessoas estão dispostas a viver num estilo vegetariano, estão a ver, serão necessárias drogas para reduzi-lo a níveis similares. Então, a escolha é nossa. Reparem, contudo, que mesmo que o vegetariano médio tenha um colesterol de 150, isso não significa que todos os veganos tenham 150 É por isso que faço análises ao colesterol gratuitas aqui no Summerfest. Passem na minha mesa, uma gotinha de sangue, vai demorar apenas 2 minutos; será um prazer fazer isso por si. Ok, então a escolha é nossa: dieta ou drogas. Porque não simplesmente escolher as drogas? Bem, boa pergunta. Tal como um bom Doutor notou na noite anterior, a FDA acaba de anunciar nova etiquetagem de segurança mandatória por lei para as drogas de estatinas de redução de colesterol. Estas são Lipitor, Mevacor, Crestor, Zocor, Vytorin, e esse tipo de coisa. A FDA publicou, este ano, novas etiquetas de avisos sobre efeitos secundários quanto aos riscos cerebrais acentuados, perda de memória e confusão, um aumento nos níveis de açúcar sanguíneos, bem como novos casos de diabetes. Um cardiologista proeminente descreveu este tipo de barganha como: sim, menos ataques cardíacos mas… mais diabetes. Com toda a perda de memória e confusão causadas por estas drogas, o pessoal pode ter-se esquecido que há de facto modo de baixar o risco de ataque cardíaco e diabetes ao mesmo tempo, chamado ‘dieta baseada em plantas’. Bem, o colesterol é apenas metade da história quanto a doença cardíaca. A outra metade é a inflamação. Sabemos já há 15 anos que uma única refeição elevada em gordura animal – um McMuffin de salsicha e ovo foi usado no estudo original – pode paralisar as nossas artérias, cortando para metade a sua habilidade de relaxarem normalmente, em apenas horas após se comer produtos animais. Todo o forro da nossa árvore vascular fica inflamado e endurece. E tal como essa inflamação – aqui temos horas, certo: 1, 2, 3, 4, 5, 6 – assim que a inflamação, assim que esse enfraquecimento de nossas artérias começa finalmente a acalmar após 5 ou 6 horas, … – Hora de comer! Certo? E então podemos carregar as nossas artérias com outra carga de carne, ovos ou laticínios. E assim, a maioria das pessoas estão neste estado de inflamação crónica de baixo grau, aumentando o risco para estas doenças relacionadas à inflamação, como doenças cardíacas, cancro, diabetes, uma refeição de cada vez. Faz a mesma coisa aos nossos pulmões – mais uma vez em apenas horas, inflamação nas nossas vias aéreas. Uma única refeição a causar danos internos, e não apenas em anos de rodagem, mas, literalmente, ali mesmo, naquele dia, poucas horas depois de ela entrar na sua boca. E exatamente este ano, finalmente descobrimos, finalmente resolvemos o mistério do ‘como?’. E não parece ser da própria gordura animal. E, aparentemente, não é da proteína animal, a qual está implicada na inflamação de artrite. Então, se não é a gordura animal, e não é a proteína animal, o que é? A coisa toda é uma história de detetive doida de tão fixe que eu vou colocando numa série de vídeos, na próxima semana, na verdade: 04 de Julho, 05 de Julho, 06 de Julho… Mas vou direto ao assunto. Alerta de estraga surpresas! Após uma refeição de produtos de origem animal, as pessoas sofrem de endotoxemia. A sua corrente sanguínea fica inundada com toxinas bacterianas, conhecidas como endotoxinas que estão presentes nos produtos de origem animal. Quer dizer, não é de admirar que o nosso corpo dê em doido! Estas toxinas de bactérias de carne morta não são destruídas pelo ácido do estômago, não são destruídas por enzimas pancreáticas, não são destruídas pelo cozinhar. Eles tentaram cozer carne durante horas. Ainda não funcionou. Assim, descobriu-se que estas toxinas bacterianas eram altamente resistente à cozedura e às melhores tentativas dos nossos corpos em digestão enzimática e com ácido. Agora, a gordura animal, na verdade, tem um papel profundo em todo este processo ao transportar as toxinas bacterianas presentes na carne, através do intestino, para o nosso sistema. Então, a razão de os produtos de origem animal provocarem inflamação imediata parece ser por estarem tão carregados com bactérias que podem provocar inflamação vivas ou mortas, mesmo que estejam completamente cozidas. E então a gordura animal saturada aumenta a absorção destas toxinas para a nossa corrente sanguínea. Então, agora que sabemos o que se passa, o que temos que fazer? Bem, após um estudo de acompanhamento em 2012: “enquanto o óbvio, a solução mais óbvia para esta endotoxemia metabólica…” OK, bem, podemos reduzir a ingestão de gordura saturada, que neste país vem principalmente de queijo e frango. Mas “a dieta ocidental não é conducente a este modo de ação, e é difícil para os pacientes cumprirem com esta solicitação.” [Risos] Então quê? Não vamos nem dizer-lhes? Está bem, quero dizer … [risos] Esta atitude paternalista na profissão médica de “Oh, os pacientes não vão mudar a sua dieta ou parar de fumar, mesmo que vá matá-los, não é, então por que preocuparmo-nos?” Esta atitude poderá ser uma das verdadeiras causas principais de morte. [Aplauso] Mas vamos voltar para a lista oficial e pegar em cancro a seguir. Qual é a última? Bem, sabemos a partir do maior estudo de prospectiva sobre dieta e cancro já realizado pela humanidade, que: a incidência de todos os cancros combinados, é menor entre vegetarianos comparado com comedores de carne, especialmente alguns dos tumores de crescimento mais rápido, como linfomas e leucemias. E para tal a pior carne era na realidade aves domésticas, galinha. Até triplica as taxas para cada 50 gramas de consumo de aves. Um quarto de peito de frango: triplica o risco. Normalmente, toda esta apresentação seria num tipo de formato de concurso, mas houve uma troca na programação. Eu era para ser o último orador da noite, à noite, para que eu pudesse estender-me e não interferir com a programação. De qualquer modo, não vai acontecer outra vez, e por isso no próximo ano… volta para o formato de concurso. E eu peço desculpas. Tive que encortar isto. OK, mas a ligação entre carne e cancro é tal que até o Journal of Meat Science perguntou no ano passado, Devemos tornar-nos vegetarianos? Ou disseram, Podemos tornar a carne mais segura? Há um monte de aditivos, por exemplo, que podem suprimir os efeitos tóxicos do ferro sanguíneo, o ferro heme encontrado em carnes. Agora, os aditivos estão ainda em estudo, mas “pode ​​ser uma forma aceitável de prevenir o cancro de cólon”, porque evitar carne está, obviamente, completamente fora de questão. [risos] Eles temem que, se as recomendações do National Cancer Institute para se reduzir o consumo de carne fossem aderidas, claro, a incidência de cancro pode ser reduzida, mas os agricultores e a indústria de carne sofreriam problemas económicos importantes. [Oooooh] Agora, para aqueles de nós mais preocupados com o sofrimento causado pela indústria da carne, ao invés do sofrimento da indústria da carne, o que acontece se você colocar o cancro numa dieta vegan? Bem, a Pritikin Research Foundation acaba de completar esta série elegante de experimentos, onde quero passar algum tempo. Experimentos simples. Eles colocaram pessoas em diferentes dietas, retiraram o seu sangue, e depois pingavam o sangue em células cancerosas que crescem em placas de Petri, e apenas esperaram para ver qual sangue era melhor a suprimir o crescimento do cancro. Eles foram os tais que publicaram aquele estudo que mostrava que o sangue daqueles numa dieta vegan era drasticamente menos hospitaleiro ao cancro. Agora até mesmo o sangue daqueles num padrão de dieta americano dá luta ao cancro. Quer dizer, se isso não acontecesse, estariam todos mortos. Só que o sangue daqueles que comem vegan luta cerca de oito vezes melhor. [Aplauso] O sangue daqueles numa dieta americana padrão suprime o crescimento do cancro em cerca de 9%. Coloca-se as pessoas numa dieta baseada em plantas por um ano e, o seu sangue simplesmente desfaz o cancro. O sangue que circula nos corpos de veganos tem quase oito vezes a potência no bloqueio quando se trata de crescimento de células de cancro. Agora, isto foi para o cancro de próstata, o cancro mais comum entre os homens; para as mulheres é o cancro da mama. Os pesquisadores de Pritikin tentaram duplicar o estudo com mulheres usando, desta vez, células de cancro de mama. Mas, eles não quiseram esperar um ano inteiro para obter os resultados. Então, decidiram tentar ver o que uma dieta baseada em plantas poderia fazer em apenas duas semanas contra três tipos diferentes de cancro de mama humano. Isto é o antes, as taxas de crescimento do cancro a 100%. E o depois de comer uma dieta baseada em plantas durante apenas 14 dias. Agora, o abrandar o crescimento do cancro é óptimo, mas livrar-se deles, livrar-se das células cancerosas, é ainda melhor. Isto é o antes e depois, medindo a morte de células cancerosas. Este é o antes. E este é o depois. Pré e pós plantas. O mesmo sangue, agora percorrendo os corpos destas mulheres, ganhou o poder de desacelerar significativamente e parar o crescimento do cancro de mama graças a apenas duas semanas de uma dieta baseada em vegetais. Que tipo de sangue queremos no nosso corpo, que tipo de sistema imunitário? Queremos sangue que vai apenas tipo rolar [como um cão] quando novas células cancerosas aparecerem? Ou queremos sangue a circular para cada canto e recanto dos nossos corpos com o poder de as abrandar e deter? Agora esse reforço das defesas do cancro foi após 14 dias de uma dieta baseada em plantas e exercício. Elas estavam a caminhar 30 a 60 minutos por dia. Espere, talvez a única razão de os seus corpos tornarem-se tão eficazes na supressão do crescimento de células cancerosas foi o exercício. Talvez dieta não tenha tido nada a ver com isso? E então eles colocaram-no em teste. Esta é a medição de desaparecimento de células de cancro. E isto é o que vimos antes, o efeito de sangue colhido daqueles que comiam uma dieta baseada em plantas, neste caso durante 14 anos, junto com exercícios leves como caminhar todos os dias. Então, uma dieta baseada em vegetais, caminhar: este é o tipo de limpeza de células de cancro que obtém. Agora compare isso com o poder de bloqueio de cancro da média sedentária… Vêem este pequeno hambúrguer? Hambúrguer, maçã – desculpem-me… no site é um pouco maior … Tudo bem – …em comparação com o poder de bloquear cancro do seu sedentário comedor de carne comum, que é basicamente inexistente. OK, mas o que acontece com este grupo do meio? Este grupo do meio, em vez de 14 anos numa dieta baseada em plantas, eles tiveram 14 anos da dieta americana padrão, mas… …com uma hora diária de exercício extenuante, tipo campo de treino pela manhã. Sério, calisténicos. Eles queriam saber se se você se exercitar duro o suficiente e longo o suficiente, se você pode rivalizar com alguns veganos a passearem? Ok. [risos] Vamos descobrir. E o exercício resultou, sem dúvida, certo? Mas literalmente 5.000 horas na academia, não equivale a uma dieta baseada em plantas. [Aplausos] Aqui está uma microfotografia real de células cancerosas coradas para que libertem luz quando morrem. Como se pode ver no grupo de controlo, houve algumas células cancerosas a morrerem. Mesmo se você é uma batata de sofá comendo batatas fritas, o seu corpo não é totalmente indefeso. Mas aqui está o grupo de exercício extenuante hard-core. Células cancerosas a morrerem à esquerda e à direita. Mas nada parece dar um chuto no rabo do cancro melhor do que uma dieta baseada em plantas. Porquê, então? Algumas pessoas não querem saber, mas eu estou sempre curioso. Vamos lá … Como é que uma simples mudança na dieta faz a corrente sanguínea de alguém tão inóspita ao cancro depois de apenas alguns dias? Nós não sabíamos até ao ano passado, quando eles procuraram determinar os mecanismos subjacentes a esses efeitos anti-cancro. E é uma história maluca. Tenho toda uma série de vídeos a sair sobre isso. A história envolve pessoas pequenas e pessoas grandes, e cães grandes e cães pequenos. Involve marshmallows, brinquedos Tinker, canibalismo e halterofilistas veganos. Do bife de vaca a docinho de carne [gíria]. Eu gostaria de ter tempo, acreditem-me, mas os vídeos sairão em breve. Resumindo: a resposta para o enigma Pritikin é IGF-1. Fator de crescimento semelhante à insulina tipo 1, é a hormona de crescimento que promove o cancro envolvida em cada etapa do crescimento, propagação, metástase, e invasão do cancro. Mas você coloca as pessoas numa dieta baseada em plantas e os seus níveis de IGF-1 vão para baixo, e se eles continuarem na dieta baseada em plantas – isto é apenas após algumas semanas – se se estiver numa dieta baseada em plantas a longo prazo, os níveis caem ainda mais, e as suas proteínas de ligação do IGF-1 vão para cima. Essa é uma das formas de os nossos corpos suprimirem o crescimento do cancro, protegem-se do cancro, protegem-se de um crescimento excessivo, libertando esta proteína de ligação na corrente sanguínea para ligar-se, para amarrar a IGF-1. É como se fosse o, tipo, travão de emergência do nosso corpo. Sim, em menos de 11 dias, uma dieta baseada em vegetais pode reprogramar o seu corpo para baixar a produção de IGF-1. Mas o que dizer de todo o IGF-1, que está a circular desde o bacon com ovos que comeu na semana passada? Então o fígado liberta este esquadrão arrebatador de proteínas de ligação para o amarrar, para levar todo esse IGF-1 fora de circulação, e como se pode ver só fica melhor com o passar do tempo enquanto se comer saudável. Aqui está a experiência que pendurou o IGF-1 como o vilão. OK, o mesmo que da última vez. Vai-se numa dieta à base de plantas e as taxas de crescimento de células cancerosas caem drasticamente. E a morte de células cancerosas dispara. Já vimos isso. Mas depois, aqui é que está o chuto. E se você tivesse adicionado de volta ao cancro exatamente a mesma quantidade de IGF-1, que foi banida do seu corpo por comer uma dieta baseada em plantas, de volta? Vamos pegar nessa mesma IGF-1, e adicioná-la de volta para o cancro e ver o que acontece. E ela apaga o efeito da dieta e do exercício. É como se você nunca tivesse começado a comer saudável de todo. Então é assim que nós sabemos que a redução do consumo de produtos animais leva a um menor nível de IGF-1, o que leva a diminuir o crescimento do cancro. Mas o quanto é que o nosso consumo de produtos animais tem que baixar? O quão à base de plantas a nossa alimentação tem que chegar? Bem, vamos olhar para os níveis de IGF-1 de comedores de carne, em comparação com os vegetarianos, e em comparação com veganos. Será que uma dieta baseada em plantas é melhor na redução do nível de IGF-1 em circulação em comparação com uma dieta com carne ou uma dieta lacto-ovo-vegetariana? E isto é o que eles encontraram. Apenas os veganos – temos comedores de carne, vegetarianos, veganos – apenas os veganos tinham níveis significativamente mais baixos. E a mesma relação foi encontrada com níveis de proteína de ligação a IGF-1; isso é o que nós queremos mais elevado. Mais uma vez, não tivemos alterações aqui. Teve realmente que se ir até aquele passo final, veganos, para se amarrar significativamente todo aquele excesso de IGF-1 nas suas correntes sanguíneas. Este foi um estudo feito em mulheres. E quanto aos homens veganos? Eles descobriram a mesma coisa. Então, apesar de que os homens veganos tendem a ter níveis significativamente mais elevados de testosterona do que os vegetarianos ou os comedores de carne – o que, na verdade, pode promover o crescimento do cancro da próstata, mas a razão de uma dieta vegan poder realmente reverter a progressão do cancro, que se viu, eu mostrei em anos anteriores, o trabalho de Dean Ornish, pode ser por causa de quão baixo são os seus níveis de IGF-1. Tão elevada testosterona, mas ainda assim baixo cancro nos veganos. A questão de fundo é que homem ou mulher, apenas comer uma dieta vegetariana não parecia cortá-lo, não fez muitos favores ao seu corpo. Parece que para obter essa queda significativa nos níveis de hormona do crescimento promotora de cancro, tem realmente que se mover no sentido de eliminar produtos de origem animal por completo. Agora a boa notícia é que, com base no que sabemos agora sobre IGF-1, podemos prever que uma dieta vegana pode ser profundamente protetora no que diz respeito ao risco, por exemplo, para o cancro de mama em mulheres mais velhas. OK, faltam apenas 13 principais causas de morte! Tudo bem, vamos percorrer a lista. As três principais causas de morte costumavam ser doença cardíaca, cancro, acidente vascular cerebral. Oh, isso é tão 2011. Agora é a doença cardíaca, cancro e DPOC – como enfisema. Então, felizmente, a DPOC pode ser prevenida com uma dieta baseada em plantas, e até mesmo tratada com plantas, se você quiser verificar isso. Agora, claro, a indústria do tabaco levou essas descobertas marcantes de modo um pouco diferente. Em vez de adicionar plantas nas dietas das pessoas para prevenir enfisema, Não seria mais simples apenas adicioná-las aos cigarros? E, voila, a adição de bagas Açaí aos cigarros tem evidentemente um efeito protetor contra o enfisema em ratos fumadores. Em seguida, eles vão começar a colocar as bagas na carne. Eu não poderia ter inventado isto, gente. Olhem para isto. Adicionando extratos de frutas aos hambúrgueres!? Agora, isso não aconteceu sem algumas falhas técnicas. As amoras literalmente tingiram os hambúrgueres com esta cor distinta tipo púrpura, embora infundir carcaças de cordeiro com sumo de kiwi antes do rigor mortis [endurecimento] leva, evidentemente, a uma maior suavidade na carne. E é possível melhorar o perfil nutricional de salsichas adicionando sementes de uva moídas, embora houvesse queixas de que as partículas de sementes de uva eram visíveis no produto final. E olha, se há uma coisa que sabemos sobre os comedores de cachorro-quente, é que eles são esquisitos quanto ao que põem na sua comida. Não é? [Aplausos] Ânus de porco? Está bem. Mas sementes de uva? Arghn! [Risos] Prevenindo acidentes vasculares cerebrais, # 4. Prevenção de AVC é tudo sobre a ingestão de alimentos ricos em potássio. Potássio, das palavras pote [pot] e cinza [ash]. Pega-se em qualquer planta, coloca-se numa panela, reduz-se a cinzas e o que fica é pot-ash-ium – história verdadeira. Mas pode alguém citar-me um alimento de planta particularmente rico em potássio? [Audiência responde: Bananas!] Por que é que isso é tipo a única coisa que todo o mundo sabe sobre nutrição? Sério, a Chiquita tinha tipo uma grande empresa de relações públicas ou algo assim? Aposto que você pode caminhar até ao Grelhados Ataque Cardíaco, onde estão a comer alimentos assim, e perguntar a qualquer um, e eles diriam tipo, “Não sei o que comer, mas eu sei que as bananas têm potássio.” Não é? [Risos] Na realidade, as bananas nem sequer chegam às 50 melhores fontes, entrando no #86, logo atrás dos batidos de baunilha fast-food [Risos] e logo a seguir vem bananas. As cinco principais fontes são tomate e laranja concentrados, e em termos de fontes de alimentos integrais, são os verdes, feijões e tâmaras. De fato, se você olhar para a próxima principal causa de morte, [Acidentes] bananas poderiam ser até bem perigosas. [Risos] Alzheimer é agora a nossa sexta maior causa de morte. Sabemos já há 20 anos que aqueles que comem carne, vermelha ou branca – incluindo aves e peixes – tinham entre 2 a 3 vezes mais probabilidade de se tornarem dementes em comparação com os vegetarianos. E quanto maior é o tempo em que se é vegetariano, menor é o risco de desenvolver demência. Mas a nova pesquisa emocionante é realmente em tratar a doença de Alzheimer usando estes remédios naturais de plantas, que, na verdade, batem os placebos, e funcionam tão bem como a principal droga para Alzheimer. Mais uma vez, tudo no site, tudo de graça. Em seguida na lista do bater-as-botas está diabetes, que pode ser evitada com uma dieta à base de plantas, e tratada com uma dieta baseada em plantas. e até mesmo revertida em muitos casos E eu encorajo a todos a assistirem à palestra da Brenda às 3 horas da tarde. Este estudo é de Outubro. Os que comiam vegetariano tiveram taxas significativamente mais baixas do que os comedores de carne, mas foram os veganos quem se saiu melhor. E esta é a coisa surpreendente. Isso foi depois de controlar a obesidade. Claro que os veganos tiveram taxas de diabetes mais baixas, bem, eles são tão magrinhos. Mas, mesmo com o mesmo peso, os veganos têm apenas uma fração do risco de diabetes. Por que são os veganos, em média, tão magros? Bem, a obesidade é tão rara entre aqueles que comem dietas à base de plantas, pesquisadores de nutrição têm andado desesperados para tentar desvendar o segredo. Sim, eles comem menos calorias, mas não muitas menos. Nos últimos anos, eu passei por uma série de teorias para tentar explicar isto. Talvez seja porque as pessoas comendo dietas fortes em plantas expressam mais dessa enzima que move gordura na mitocôndria, as centrais de energia das nossas células. Talvez seja porque as populações de bactérias do intestino são diferentes. Talvez seja por causa de evitarem os produtos químicos obesogénicos, esses produtos químicos de desregulação endócrina no fornecimento de carne. É um vírus nas aves que causa obesidade que até poderá ter um papel nisto. Ainda não temos certeza. Continuam a aparecer teorias. Aqui está a teoria mais recente: talvez seja a propionato [de sódio; E281]. Afinal de contas, qual a única coisa que está apenas em alimentos de origem vegetal? Fibra. Os animais têm ossos para segurá-los; as plantas têm fibra para segurá-las. Agora espere um segundo. Pensei que a fibra fosse definida como a nossa incapacidade de a digerir. Bem, é verdade, não podemos decompor a fibra, mas os zilhões de boas bactérias nos nossos intestinos podem. E o que é que elas fazem com a fibra? Elas fazem propionato, o qual é absorvido na nossa corrente sanguínea. Então, tecnicamente podemos digerir fibra, mas simplesmente não sem um pouco de ajuda de nossos amiguinhos. Então, mas o que é que o propionato faz? Bem, ele inibe a síntese de colesterol. Isso é bom. Também parece ter o que é chamado de um efeito hipofágico, o que significa que nos ajuda a comer menos, por aparentemente desacelerar o esvaziamento dos nossos estômagos, o que nos faz sentir cheios por mais tempo. O propionato regula a ingestão de alimentos, ou se for porque ele diminui a geração de novas células de gordura, mas resulta neste efeito anti-obesidade em geral. E nós podemos realmente impulsionar as populações destas bactérias boas nas nossas entranhas sem tomar probióticos, apenas ao comer vegetariano porque estamos a alimentar os nossos amiguinhos com fibra. Alimentos de origem animal também tendem a ser densos calóricamente. Por exemplo, para gastar no andar as calorias encontradas num único pacotinho de manteiga você teria que adicionar uns 700 metros extra ao seu passeio à noite naquele dia. Ou 400 metros em corrida para cada sardinha que colocar na sua boca, e isso é apenas a parte comestível. E qualquer um que opte por comer duas pernas de frango, o melhor é sair nas suas próprias pernas e correr uns 4.800 metros naquele dia para correr com o peso a mais. E isso é para frango cozido a vapor, pele removida. Aqui está o mais recente: Consumo de carne e ganho de peso esperado. Estamos a falar de centenas de milhar de homens e mulheres estudados em 10 países com o ganho de peso medido ao longo de um período de 5 anos. O que é que encontraram? O consumo total de carne associado com o ganho de peso em homens e mulheres. A conclusão é que a diminuição do consumo de carne pode melhorar a gestão de peso. E isso foi após o controle de peso inicial e atividade física, nível de escolaridade, tabagismo, ingestão total de energia … O quê? Esse é o chuto. Isto foi após o controlo de calorias. A ligação entre a carne e o ganho de peso manteve-se mesmo após o controle de calorias. Ou seja, duas pessoas comendo as mesmas calorias, o que comer mais carne pode ganhar mais peso. Eles até calcularam o quanto mais. A ingestão de 250 gramas de carne por dia, que não é nada comparado com o que os EUA comem, levaria a um ganho de peso anual de 422 gramas mais elevado do que o ganho de peso experienciado com as dietas de igual teor calórico mas com menor teor de carne. Após 5 anos, o ganho de peso seria de cerca de 2 quilos e 200 gramas a mais. Então as mesmas calorias, contudo 2 quilos mais pesado se comer carne. E bife não era nada. A relação mais forte com o ganho de peso anual foi observada para aves. Digamos que você começa com um peso normal e come um hambúrguer todos os dias. Bem, isto é o quanto peso extra você ganharia, para além das calorias que estão presentes. E se você comeu o mesmo número de calorias, mas em vez de carne processada, como um sanduíche de presunto com três fatias de carne deli, você estaria aqui. E depois meio peito de frango eleva-te até aqui, mais uma vez, acima e além das calorias. Em conclusão, os nossos resultados indicam que o consumo de carne está associado positivamente com o ganho de peso. Isso persistiu após ajuste pela ingestão de energia e, portanto, estamos favor desta recomendação de saúde pública para diminuir o consumo de carne com vista à melhoria da saúde. Para mais, certifique-se de verificar a resposta da indústria da carne a este estudo – muito interessante – bem como o trabalho maravilhoso do PCRM tentando colocar uma dieta vegan a funcionar num ambiente corporativo. Insuficiência renal, oitava principal causa de morte, pode ser prevenida com uma dieta à base de plantas; pode ser tratada com uma dieta à base de plantas. Por quê? Porque os nossos rins são órgãos altamente vasculares. É por isso que os rins parecem tão vermelhos por dentro. Os nossos dois pequenos rins filtram toda a nossa corrente sanguínea. E logo, se a dieta padrão americana é tão tóxica para os vasos sanguíneos no nosso coração, cérebro, e pélvis, levando a ataques cardíacos, derrames e disfunção sexual, o que poderia estar a fazer aos nossos rins? Encurtando a história, pesquisadores de Harvard descobriram três fatores de risco significantes para o declínio da função renal, ou seja, você começa a perder proteína na sua urina. O seu corpo não deveria estar a urinar a sua proteína. Os três fatores de risco para o declínio da função renal foram proteína animal, gordura animal, e colesterol. Não é a proteína; não é a gordura. É a proteína animal, a gordura animal. Nenhuma relação encontrada com proteína vegetal ou gordura vegetal. Não só os veganos parecem ter melhor função renal, como melhorias dramáticas foram encontradas no tratamento de pacientes com insuficiência renal com dietas vegetarianas puras após apenas uma semana. Assassino # 9 são pessoas que morrem de infeções respiratórias. Então confira o meu vídeo “Couve galega e o sistema imunitário”, que fala sobre os efeitos imuno-estimulatórios da couve galega. Existe alguma coisa que a couve galega não possa fazer? [Risos] E se você vir o meu vídeo “aumentar a imunidade através da dieta”, que era, na verdade – se consegue ver isto é 28 de Junho – este é apenas o vídeo-do-dia que foi publicado na quarta-feira, você pode ver que comer apenas algumas frutas e legumes extra pode melhorar significativamente a resposta imunitária a uma pneumonia pneumocócica. O suicídio é # 10. No ano passado no Summerfest eu falei sobre melhorar o humor através da dieta. Sabemos que as dietas vegetarianas têm sido associadas com estados de humor mais saudáveis, mas não se sabe se é causa e efeito até que se coloque-o à prova, e isso é o que foi feito este ano. Você pega em comedores de carne regulares e remove a carne, peixe, aves e ovos, neste estudo, das suas dietas, e pode-se ver uma melhora significativa nos valores de humor após apenas duas semanas. Pode levar meses para que drogas como o Prozac façam efeito. Na verdade, a forma como as drogas como o Prozac funcionam é aumentarem os níveis da chamada hormona da felicidade, a serotonina. Você sabia que há serotonina em plantas? Eu não fazia ideia; Verdade que não sabia. Mas há serotonina e dopamina e todos os tipos de neurotransmissores humanos em plantas, tanto assim que houve um apelo para se iniciar o tratamento da depressão com fontes de alto conteúdo de serotonina, Você sabe, como banana-da-terra, abacaxis, bananas, kiwis, ameixas e tomates. Está bem? E quais os efeitos colaterais? Você fica com uma pequena semente presa nos seus dentes ou algo assim, certo? [Risos] Talvez seja por isso que uma elevada ingestão de frutas, legumes, cogumelos e soja foi associado a uma diminuição da prevalência da depressão. Talvez por isso que uma melhoria no comportamento em adolescentes foi associada significativamente com maior consumo de vegetais de folhas verdes e frutas frescas. Para saber mais, fique de olho nos meus vídeos sobre o caminho errado para aumentar a serotonina, que é através destes suplementos de triptofano, sobre uma melhor maneira de aumentar a serotonina, para combater coisas como depressão pré-menstrual, e, em seguida, sobre a melhor maneira, como relatado neste estudo duplo-cego, cruzado e controlado por placebo de sucesso do uso de sementes de abóbora no tratamento do transtorno de ansiedade social, por exemplo. Espantoso! Como poderá uma dieta baseada em vegetais prevenir infeções sistémicas? Bem, bactérias transmitidas pela carne podem invadir diretamente a própria corrente sanguínea através da parede intestinal, ou em mulheres, pode trepar acima até à bexiga. Neste mesmo mês, junho de 2012, temos prova de DNA, finalmente, que mulheres que comem carne estão a apanhar infeções do trato urinário de comerem carne contaminada com bactérias fecais, que, em seguida, trepam para a bexiga. E as galinhas são o reservatório mais provável. Espere um segundo. Você não pode vender carros inseguros. Você não pode vender brinquedos inseguros. Como é que é legal vender carne insegura? Bem, eles fazem isso ao culparem o consumidor. Como um microbiologista de aves da USDA disse, “Carnes cruas não são à prova de idiotas. Elas podem ser mal utilizadas e quando o são, é como lidar com uma granada de mão. Você puxa o pino, alguém vai se magoar.” Está a ver, se ficarmos doentes, a culpa é nossa. Agora, enquanto alguns podem questionar o bom senso de vender granadas de mão em supermercados, o especialista em aves da USDA discorda. “Eu acho que o consumidor tem a maior responsabilidade, mas simplesmente se recusa a aceitá-lo.” Isso é como uma companhia de carros dizer: sim, nós instalamos travões defeituosos, mas a culpa é sua por não colocar o seu filho num cinto de segurança. Um diretor nos Centros de Controle de Doenças respondeu famosamente a esse tipo de atitude de culpabilização da vítima pela indústria da carne. “É razoável”, perguntou ela “se um consumidor mal-passar um hambúrguer que o seu filho de 3 anos de idade morra?” É razoável? Não se preocupe, contudo; a indústria da carne está em cima. Eles receberam agora mesmo a aprovação do FDA para um vírus que se alimenta de bactérias ser pulverizado sobre a carne. Agora, alguns levantaram preocupações sobre esses chamados bacteriófagos, tais como a possibilidade de que estes vírus podem espalhar genes de toxinas entre as bactérias, o que não seria bom, especialmente dadas as dificuldades na prevenção de grandes números destes vírus de serem libertados para o ambiente pelos matadouros. Também poderia permitir que a indústria da carne se tornasse mais complacente com a segurança alimentar, se eles soubessem que podem apenas tipo espalhar alguns vírus no final, similar ao argumento da solução rápida com a irradiação. Do ponto de vista da indústria, que importa se há matéria fecal na carne desde que se possa simplesmente rebentá-la no final com radiação suficiente? Agora, a indústria da carne está preocupada que a aceitação pelo consumidor destes vírus que se alimentam de bactérias possa apresentar-se um pouco como um desafio para a indústria de alimentos, não que eles alguma vez fossem rotulados, claro. Mas caso eles pensem que vai ser um desafio, vejam a sua outra idéia brilhante. Os “Efeitos de Pupas de Mosca Extraídas na Preservação de Carne de Porco Refrigerada”. Esta é uma maneira sciency de dizer que querem besuntar uma mistura de larva na carne. Agora, é um método simples de baixo custo. Pensem nisso. Larvas prosperam em carne podre, contudo nunca houve relatos de larvas terem quaisquer doenças graves – não que alguém tenha realmente verificado, mas… quer dizer… – Indicando que elas têm um sistema imunológico forte. Elas devem estar abarrotadas com algum tipo de propriedades antibacterianas, caso contrário, morreriam a comer carne podre. Então eles pegaram em larvas que tinham três dias de idade, lavaram-nas, secaram-nas, tipo recolheram-nas de toalha. Passaram-lhes por um liquidificador – tipo de um pouco de ação Vitamix – e voila! Carne mais segura. Vimos insuficiência renal. E quanto à insuficiência hepática? Temos conhecimento há 35 anos – oh, você nem consegue ler isto – 1977, de que uma dieta de proteína vegetal pode ser utilizada para tratar a insuficiência hepática, reduzindo significativamente as toxinas que de outra forma iriam aumentar ao comer-se carne com um fígado menos do que funcional. Imagine comer carne sem um fígado em pleno funcionamento para desintoxicar o sangue. Eu tenho que admitir, porém, que algumas pessoas que vivem de dietas à base de plantas pioraram a função hepática. São chamados de alcoólicos … De facto estritamente à base de plantas, vivendo de batatas e milho e cevada e uvas, e ainda assim, contudo, não se saíram muito bem. É estranho. [Risos] A pressão arterial elevada é o próximo, chamada Hipertensão Essencial, essencialmente apenas encontrada naqueles que comem carne. Uma vez mais, olhem para isto. Sabemos há décadas, desde 1974 pela Universidade de Hopkins, sabemos que o consumo de alimentos de origem animal foi associado de forma altamente significativa com a pressão arterial, mesmo depois, outra vez, de os efeitos do peso serem removidos. Rebobinando para a frente 39 anos até 2012. E em comparação com os não-vegetarianos – comedores de carne – à medida que se come mais e mais à base de plantas, assim de comedor de carne para flexitariano, para apenas comer peixe, para lacto-ovo, para vegan, olhem o que acontece com a hipertensão, pressão arterial elevada. Há esta redução progressiva no risco até apenas uma fração minúscula. Você vê a mesma coisa para diabetes. Aqui está a diabetes. Mais uma vez a redução gradual do risco há medida que se elimina produtos de origem animal, para baixo. Ah, e a mesma coisa com o índice de massa corporal. Como se pode ver, as taxas de obesidade descem mais e mais. De fato, os veganos são na verdade a única população, em média, que não estava com peso a mais. Até mesmo os vegetarianos estavam acima do peso. Diabetes, hipertensão: principais causas de morte. Será que vai levar à profissão médica mais 39 anos antes de realmente fazerem algo quanto a isso? Quanto tempo demora, ao ser-se vegano, para trazer a pressão arterial para baixo? Doze dias! McDougall pegou em 500 comedores de carne, colocou-os numa dieta vegan, e num período de 11 dias, a sua pressão arterial caiu 6%, e cerca do dobro aquela queda naqueles que eram hipertensos no começo. A principal causa de morte #14: A doença de Parkinson. Será que uma dieta vegana reduz o risco de Parkinson? Boa pergunta. Bem, nós sabemos que cada estudo prospectivo alguma vez feito sobre os produtos lácteos, o consumo de leite, e o risco de doença de Parkinson, encontrou um aumento do risco de doença de Parkinson. Por quê? Bem, uma possibilidade é que os produtos lácteos nos Estados Unidos estão contaminados com produtos químicos neurotóxicos. Há evidências substanciais que sugerem que a exposição a pesticidas pode aumentar o risco de Parkinson, e esses estudos de autópsias descobriram que os níveis desses poluentes e pesticidas são elevados no cérebro de pacientes com doença de Parkinson, e algumas destas toxinas estão presentes a níveis baixos nos produtos lácteos. Eles estão a falar de toxinas como tetrahidroisoquinolina, que é um composto relacionado com Parkinsonismo encontrado particularmente no queijo. Agora, embora as quantidades deste neurotoxina, mesmo em queijo, não sejam muito elevadas, a preocupação é que elas possam acumular-se, estas neurotoxinas podem acumular-se no cérebro durante longos períodos de consumo. E, finalmente, pneumonia por aspiração, a qual é causada por problemas em engolir devido a ter-se Parkinson ou um acidente vascular cerebral ou Alzheimer, os quais já cobrimos. Então onde é que isto nos deixa? Estas são as top 15 causas de morte, as 15 principais razões de que os americanos morrem, e uma dieta baseada em plantas pode ajudar a prevenir quase todas elas, pode ajudar a tratar mais de metade delas, e em alguns casos até mesmo reverter a progressão da doença, incluindo nas nossas três principais causas de morte. Agora, existem medicamentos que podem ajudar também. Você pode tomar um medicamento para tratar o colesterol todos os dias para o resto de sua vida, outra droga para o açúcar no sangue, mais alguns comprimidos para a pressão arterial. A mesma dieta, porém, faz isso tudo. Não é como uma dieta para isto, e depois uma dieta diferente para aquilo. Uma dieta para as vencer a todas. E quanto aos efeitos colaterais das drogas? Não estou a falar de uma erupçãozinha ou algo assim. Prescrição de medicamentos mata mais de 100.000 americanos todos os anos. E eu não estou a falar de erros de medicação, nem abuso, nem overdose. Estamos a falar de isto serem apenas mortes por efeitos secundários, chamadas RAMs, reações adversas aos medicamentos prescritos. Espere um segundo, 100 mil mortes por ano? Isso significa que – vamos descer a lista – uau! Isso significa que a sexta maior causa de morte nos Estados Unidos são os médicos! A sexta maior causa de morte sou eu! [Risos] Felizmente, podem prevenir-me com uma dieta baseada em plantas. [Aplausos] A sério, em comparação com 15.000 vegetarianos americanos, os comedores de carne tinham cerca do dobro das chances de estarem na aspirina, comprimidos para dormir, tranquilizantes, antiácidos, analgésicos, medicamentos para a pressão arterial, laxantes e insulina. Dietas à base de plantas são ótimas para pessoas que não gostam de tomar drogas, não gostam de pagar por medicamentos, e, é claro, que não gostam de arriscar efeitos adversos. Agora, este estudo mostrou que as dietas à base de plantas têm seus próprios efeitos colaterais. Os efeitos colaterais incluem um menor risco de doença crónica, menos alergias, menos cirurgias. Estamos a falar de menos varizes e hemorróidas, até menos histerectomias. E não estamos a falar apenas dos grandes assassinos, não apenas de menos doença cardíaca – e este é o estudo mais longo de vegetarianos na história da humanidade – não apenas menos doença cardíaca e acidente vascular cerebral e pressão arterial elevada e diabetes, mas menos diverticulose, menos – se você consegue ler isto – menos doenças em geral. Isso são os efeitos colaterais de uma dieta baseada em plantas: menos doenças em geral. Aqui estão as alergias. Mais uma vez, o mais longo estudo sobre vegetarianos na história. Mulheres que comem carne, em comparação com vegetarianas, parecem ter um risco 30% maior de relatar alergias químicas, 24% mais asma, mais alergias a medicamentos, até mais alergias a picadas de abelha, 15% mais febre do feno. Um novo efeito colateral de dietas à base de plantas que acabámos de aprender no ano passado: menos cataratas. É isso que obtemos, menos cataratas, a principal causa de cegueira e perda de visão. Em comparação com aqueles que comem apenas uma única porção de carne por dia numa única refeição, aquelas que comem metade de uma porção por dia descem o seu risco em 15%. Comem apenas peixe, caiu cerca de 21%. Livrem-se do peixe, caiu 30%. Livrem-se de ovos e laticínios: uma queda plena de 40% no risco. E isso é tudo para além do meu efeito colateral favorito das dietas à base de plantas: ajudando a prevenir 15 dos nossos 16 principais assassinos. Quer resolver a crise da saúde? Eu tenho uma sugestão. Imagine se a nossa nação adotasse uma dieta baseada em plantas. Imagine se nós apenas cortássemos significativamente na carne. Bem, na realidade existe um país que o fez. Após a Segunda Guerra Mundial, a Finlândia juntou-se a nós e começou a emborcar carne, ovos e laticínios. E pela década de 1970, a taxa de mortalidade por doenças do coração dos homens finlandeses era a mais alto do mundo, até nos envergonhou. Então, olha, eles não queriam morrer, então eles tornaram-se sérios. A doença cardíaca é causada por colesterol elevado. O colesterol elevado é causado pela elevada ingestão de gordura saturada. Assim, o foco principal da estratégia foi reduzir a elevada ingestão de gordura saturada no país. Então isso significa, aqui temos queijo, frango, bolo e carne de porco, basicamente. Assim, um projeto de bagas foi lançado para ajudar os produtores de leite a mudarem para a agricultura de bagas. O que fosse preciso. [Aplausos] E, de fato, muitos agricultores mudaram de laticínios para bagas. Eles puseram aldeias umas contra as outras nestas competições amigáveis para baixar o colesterol ​​para ver quem poderia fazer o melhor. Então, como se saíram? Bem, vejam, numa escala populacional, mesmo que as taxas de mortalidade caissem 5%, quer dizer, poderia salvar milhares de vidas. Mas mudanças extraordinariamente grandes ocorreram … Uma queda de 80% na mortalidade cardíaca em todo o país. Uma queda de 80% nas mortes por doenças do coração! Com estas taxas tão reduzidas na mortalidade cardiovascular e por cancro, a mortalidade geral foi basicamente quase que cortada pela metade, levando a sete anos, os homens vivendo mais 7 anos, e mais 6 anos para as mulheres. E, olhem, isto é apenas cortando em produtos de origem animal. Agora disputando o recorde mundial de mortes por doenças cardíacas, claro, estão os Estados Unidos da América. Então, por que é que o nosso governo não faz essas mesmas recomendações? Eu tenho toda esta série de vídeos sobre os conflitos de interesses dentro dos comités de diretrizes dietéticas americanas. Eles são os que fazem as recomendações e, de fato, sejam eles financiados por corporações de barra de chocolate, ou pela Sugar Association [Associação do Açúcar], ou por um membro do Macdonald’s Council on Healthy Lifestyles [Comité do McDonalds para o Estilo de Vida Saudável] prestando serviços ao Coca Cola’s Beverage Institute for Health and Wellness [Instituto de Refrigerantes para a Saúde e Bem-Estar da Coca Cola]. E reparem, apenas sabemos isso graças a uma ação judicial PCRM [Comité de Médicos Pela Medicina Responsável] contra a USDA [Departamento dos EUA Para a Agricultura]. Muito impressionante. Um dos membros da comissão foi menina de publicidade da Duncan Hines e, em seguida, da marca Crisco. Estas são as pessoas que ditam a política de nutrição dos EUA. Se você ler as recomendações oficiais das diretrizes dietéticas, vocês vão notar que não há discussão de todo sobre a investigação científica das consequências de se comer carne para a saúde. Por quê? Porque se a comissão realmente discutisse esta pesquisa, seria incapaz de justificar a sua recomendação para se comer carne, de todo, como a pesquisa mostraria que a carne aumenta os riscos de doenças crónicas, contrário ao propósito de estar nas orientações dietéticas em primeiro lugar, certo? Assim, ao simplesmente ignorar a pesquisa, o comité consegue chegar a uma conclusão que de outra forma pareceria imprópria. Então, eles não podem sequer falar sobre a ciência. Sabemos que uma dieta baseada em plantas com frutas, legumes, cereais integrais, legumes, sem carne, reverte a doença cardíaca, previne completamente as mortes por doença do coração, e retarda a progressão do cancro, e uma dieta quase idêntica é promovida pelo Fundo Mundial Para a Pesquisa do Cancro para prevenir o cancro, com base no maior revisão de estudos científicos até à data. Mas, novamente, eles não podem sequer falar da ciência porque, como poderiam eles justificar seja o que for que não uma dieta baseada em plantas? Deixem-me terminar com aquilo que é, provavelmente, o melhor resumo da política de nutrição nos Estados Unidos que eu já vi: “As novas orientações dietéticas foram publicadas. Elas dizem-nos para comer mais saudável.” “Mas não tão saudável que venha afetar sensivelmente os lucros corporativos.” Muito obrigado. [Aplausos] [mais aplausos] [mais aplausos] Não se esqueça de verificar o meu novo vídeo a cada dia. Por favor, partilhe o site com amigos e familiares. Ofereça a todos DVDs. Todos os rendimentos vão para caridade. E lembre-se, por favor tenha a liberdade de passar por cá para uma verificação do seu colesterol gratuita. Até mais, todo o mundo. Tchau.Recolher Transcrição

O Dr. Greger publica um novo vídeo todos os dias em NutritionFacts.org, uma iniciativa com foco científico, não comercial e completamente voluntário, que nos oferece actualizações diárias sobre as últimas descobertas em nutrição.

Nutritionfacts.org em Português.

Voluntariado na tradução de vídeos de Nutritionfacts.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *