Alimentação como Medicina: AVC e Hipertensão Arterial

“Uma dieta mediterrânica é certamente melhor do que o que a maioria das pessoas está a consumir. Mas ainda melhor poderá ser uma dieta em torno de alimentos vegetais integrais, que mostrou, na realidade, reverter a doença cardíaca, não contribuir para ela.”- Dr. Michael Greger

Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos vídeos aqui

Este vídeo é um segmento de uma apresentação ao vivo. Para ver o vídeo na sua totalidade legendado em português, Alimentação como Medicina: Prevenção e Tratamento das Doenças mais Temidas com Dieta. Se preferir visualizar apenas os segmentos selecionados e focados em algumas das doenças abordadas, juntámos as melhores partes nesta playlist.

Fontes citadas
Desenrole a Transcrição aqui

Alimentação como Medicina: AVC e Hipertensão Arterial

A seguir na lista está acidente vascular cerebral (AVC) e hipertensão arterial, que vão juntos, pois a hipertensão arterial é o fator de risco # 1 para AVC. O estudo PREDIMED descobriu que uma dieta mediterrânica com nozes poderia reduzir o risco de AVC quase pela metade, apesar de que ainda iam tendo AVCs. Metade do número de AVCs, mas ainda assim era uma dieta que promovia AVC e promovendo ataques cardíacos também. Então, foi isso que o Dr. Ornish observou quando escreveu: nenhuma redução significativa nas taxas de ataque cardíaco, morte por doença cardiovascular, morte por qualquer causa, apenas aquela vantagem nos AVCs. Mas hey, quer dizer, já é alguma coisa. Uma dieta mediterrânica é certamente melhor do que o que a maioria das pessoas está a consumir. Mas ainda melhor poderá ser uma dieta em torno de alimentos vegetais integrais, que mostrou, na realidade, reverter a doença cardíaca, não contribuir para ela. Isso pode ser verdade, os autores do estudo relataram, mas o grande problema com a dieta do Ornish é, nhee, simplesmente não sabe bem que tão dificilmente alguém adere a ela. Mas isso não é verdade. O Ornish teve uma extraordinária aderência nos seus estudos sem diferenças em qualquer das medidas de aceitabilidade, o mesmo prazer em comparação com as suas dietas regulares. Até tiveram sucesso no país do churrasco, a Carolina do Norte rural. Vejam, dietas rigorosas podem reunir maior aceitação entre os pacientes do que as dietas mais modestas, porque poderão funcionar melhor. Maior adesão significa maior reversão da doença. Mas você não tem que estar às portas da morte. Mesmo aqueles jovens e saudáveis, sem problemas de saúde, não tiveram dificuldades em aderir a uma dieta baseada em plantas. Na verdade, funcionou um pouco bem demais. Este é um estudo cruzado em que pediram às pessoas para comerem à base de plantas durante alguns meses e depois voltarem à sua dieta original para notarem o contraste, mas as pessoas sentiram-se tão bem a comer saudável que alguns deles se recusaram a voltar à sua dieta regular, o que, tipo… na realidade atrapalha o estudo. [Aplausos]. Então eles estavam, vocês sabem, a perder peso sem contagem de calorias ou controle de porções, tinham mais energia, as suas menstruações ficaram melhor, melhor digestão, melhor sono. E muitos eram tipo: de maneira nenhuma, não vamos voltar atrás! Mas se os médicos apenas presumirem que as pessoas não vão comer desta forma… profecia auto-realizável. Assim como médicos fumadores são menos propensos a dizer aos seus pacientes para pararem de fumar, e médicos batatas de sofá são menos propensos a aconselharem exercício ou coisas como frutas e legumes, temos de ser exemplares no comportamento saudável. Isto aumenta muito a nossa credibilidade e eficácia. Longe vão os dias de autoridade tradicional, quando o médico gordo, deixando cair cinza do cigarro na sua bata manchada de molho, poderia, de forma credível, prescrever uma mudança de comportamento. Uma razão pela qual dietas à base de plantas podem salvar tantos milhões é porque o fator de risco # 1 de morte no mundo é a hipertensão arterial, desperdiçando nove milhões de vidas todos os anos, e nos Estados Unidos, matando mais de mil por dia. 400 mil americanos mortos todos os anos. A pressão arterial elevada afeta cerca de 78 milhões de americanos. Isso é um em cada três de nós, e à medida que envelhecemos, as nossas pressões trepam mais e mais, de tal modo que aos 60 anos atinge mais de metade de nós. Se afeta a maioria de nós quando ficamos mais velhos, talvez não seja tanto uma doença e mais apenas tipo uma consequência natural, inevitável do envelhecimento? Não. Sabemos há quase um século que a pressão arterial alta não precisa ocorrer. Os pesquisadores mediram a pressão arterial de um milhar de pessoas na zona rural do Quénia que comiam uma dieta em torno de alimentos vegetais integrais. Cereais integrais, feijão, vegetais, frutas, vegetais folhosos verde escuros. Até aos 40 anos, as pressões sanguíneas de africanos rurais – quase as mesmas que os europeus e americanos, 120s/80s, mas à medida que os ocidentais envelhecem, as suas pressões vão trepando de tal forma que pelos 60 anos a pessoa média é hipertensa, excedendo 140 sobre 90. E quanto àqueles que comem à base de plantas? As suas pressões melhoram com a idade. Não apenas não desenvolveram hipertensão, as suas pressões arteriais, na verdade, ficaram ainda melhores. Agora toda essa coisa do 140/90 é arbitrária. Tal como os estudos que mostram que, quanto mais baixo o colesterol, melhor; não há realmente um nível seguro acima de 150. Alguns estudos de pressão arterial também apoiam este tipo de abordagem “quanto mais baixo melhor” na redução da pressão arterial. Mesmo pessoas que começam com uma pressão arterial inferior a 120/80 parecem beneficiar da redução da pressão arterial. Assim, a pressão arterial ideal, a pressão arterial do “nenhum benefício em reduzi-la ainda mais” é, na verdade, 110/70. Mas será mesmo possível atingir uma pressão arterial abaixo dos 110/70? Não é apenas possível, é normal para aqueles que comem dietas saudáveis ​​o suficiente. Ao longo de dois anos num hospital do Quénia rural, 1.800 pacientes deram entrada. Quantos casos de hipertensão arterial eles encontraram? Zero. Uau, então eles devem ter tido taxas baixas de doenças do coração. Não, eles não tinham nenhuma taxa de doenças do coração. Não baixo risco. Sem risco. Nem um único caso de arterosclerose, o nosso assassino # 1, foi encontrada. Na China rural também, cerca de 110/70 durante toda a sua vida. Agora vejam, África e China, dietas vastamente diferentes, mas o que eles têm em comum, é comerem à base de plantas no dia-a-dia, com carne apenas incluída tipo em ocasiões especiais. Agora, porque é que pensamos que era a natureza baseada em plantas da sua dieta que era tão protetora? Porque, no mundo ocidental, como notou a American Heart Association, as únicas pessoas a chegarem realmente tão baixo são os vegetarianos estritos, chegando aos 110/65 E então, a American Heart Association recomenda uma dieta vegetariana estrita? Não, eles recomendam a dieta DASH. A dieta DASH tem sido descrita como uma dieta lacto-vegetariana, mas não é. Enfatiza frutas e legumes e laticínios com baixo teor de gordura, mas apenas uma redução na carne. Por que não vegetariana? Quer dizer, sabemos há décadas que alimentos de origem animal estavam associados com pressão arterial, com elevada significância. De facto, vocês podem pegar em vegetarianos, pagar-lhes o suficiente para comerem carne e podem ver a sua pressão arterial a subir. Então, quando a dieta DASH foi criada, estariam eles simplesmente não conscientes desta pesquisa de referência, feita por Frank Sacks de Harvard? Não, eles estavam conscientes. O Presidente da Comissão de Projeto que surgiu com a dieta DASH foi Frank Sacks. Vejam, a dieta DASH foi explicitamente concebida com o objetivo # 1 de capturar os benefícios de redução da pressão arterial de uma dieta vegetariana, mas ainda assim contendo produtos animais suficientes para torná-la palatável para o público em geral. Na verdade, Sacks descobriu que quantos mais laticínios os vegetarianos comiam, mais subiam as suas pressões arteriais, mas tem que se tornar a dieta aceitável. Uma meta-análise recente constatou que as dietas vegetarianas eram boas, mas dietas estritamente à base de plantas podem ser melhores. As dietas vegetarianas em geral conferem proteção contra as doenças cardiovasculares, alguns tipos de cancro e morte, mas dietas completamente à base de plantas parecem oferecer proteção adicional contra a obesidade, hipertensão, diabetes tipo 2, e mortalidade por doença cardíaca. Com base num estudo de 89 mil californianos, aqueles que comiam dietas sem carne aparentavam reduzir o risco de hipertensão arterial em metade, mas aquelas que comiam dietas sem carne, sem ovo, e sem derivados de leite reduziam o seu risco em 75%. Se, contudo, vocês estão a comer uma dieta integral baseada em plantas, e ainda não estão a bater os 110/70, existem algumas plantas encontradas recentemente que podem oferecer proteção adicional. Um estudo randomizado controlado por placebo descobriu que uma xícara de chá de hibisco a cada refeição diminui significativamente a pressão arterial, Na verdade, testado lado-a-lado com um medicamento líder na pressão arterial, Captopril, duas xícaras de chá de hibisco todas as manhãs foi tão eficaz quanto o medicamento. Outro ensaio randomizado controlado com placebo descobriu que algumas colheres de sopa de sementes de linhaça moídas por dia induzia um dos mais potentes efeitos anti-hipertensivos alguma vez alcançados numa intervenção dietética, duas a três vezes mais poderoso que instituir um programa de exercícios de resistência, embora não haja nenhuma razão para que você não possa fazer as duas. [Limpa a garganta] [risos] Vinho tinto pode ajudar, mas apenas se o álcool tiver sido retirado. Sinto muito. [Risos.] Vegetais crus ou cozidos? E a resposta é ambos, embora crus possa na realidade funcionar melhor. Kiwis não pareceu funcionar, apesar de o estudo ter sido publicado por uma empresa de kiwis. Talvez eles devessem ter feito como o comité de marketing de uvas passas da Califórnia, que se saiu com este estudo que mostra que as passas podem reduzir a pressão arterial, mas apenas, aparentemente, em comparação com bolinhos de chocolate, Cheez-its, e Chips Ahoy! [Risos.] Eles conhecem bem o truque da industria farmacêutica de escolher o grupo de controle certo.

Clique aqui para baixar a transcrição

Recolher Transcrição

[quickshare]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *